Caos no Hospital Regional | Ministério Público propõe bloqueio de R$ 17 milhões do Estado e do Instituto Gerir

Foto/Assessoria

Após reunião com alguns vereadores de Rondonópolis, o Ministério Público Estadual (MPE) propôs uma Ação Civil Pública, com Pedido de Tutela de Urgência de Natureza Antecipada, pedindo o bloqueio de R$ 17 milhões das contas do Governo do Estado e do Instituto Gerir.

A solicitação se deve a situação precária que se encontra o Hospital Regional de Rondonópolis.

A medida visa também proteger o erário, pois o contrato entre o Estado e o Gerir termina no dia 27 de novembro.

Na ação, proposta pelos promotores, são citados os problemas de atrasos salariais, os atrasos nos repasses de recursos, os médicos paralisados e a incapacidade e descaso por parte da administradora.

O vereador Reginaldo Santos, participou do encontro e relatou as condições do hospital.

“Situação do Regional hoje é muito crítica. Faltam medicamentos, suspensão de atendimentos de especialistas, faltam insumos para realização de exames, faltam órteses e próteses para realização de cirurgias, não está havendo limpeza interna e coletas lixo”, disse.

Vereadores participaram de reunião no Ministério Público em Rondonópolis – Foto: Assessoria

Como resultado da falta de repasses, os serviços, como atendimentos ambulatoriais e eletivos, que são as consultas ou cirurgias com data e hora marcadas, estão suspensos desde o dia 8 de outubro.

Nos últimos meses, foram inúmeras as reclamações sobre problemas no hospital, como alagamentos em diversas alas do hospital, inclusive, com o aparecimento de ratos e mal cheiro, afetando os atendimentos da população, devido a uma reforma no telhado.

Foto: Arquivo/Primeira Hora

Apesar da ampla divulgação do Hospital sobre a reforma que está sendo realizada no hospital, no último fim de semana, no entanto, o local voltou a sofrer com problemas de infiltração.

Também no fim de semana, os serviços de nefrologia foram suspensos no Hospital Regional.

Segundo o Instituto Gerir, para novos pacientes, os insumos já foram comprados e devem chegar na próxima semana.

Além disso, há alguns dias houve a suspensão do serviço da limpeza hospitalar.