Rondonópolis 70 anos: No aniversário da cidade, Aureo Costa destaca coragem e visão do povo local

Da Assessoria

Da Assessoria

Aureo Candido Costa: “Só tenho que dar vivas, vivas e vivas à cidade e ao povo de Rondonópolis” - Foto – Cesar Augusto

Rondonópolis 70 anos: No aniversário da cidade, Aureo Costa destaca coragem e visão do povo local

A pujança e o sucesso do município de Rondonópolis, que chega aos 70 anos de emancipação política neste domingo (10/12), têm muito a ver com a coragem e a visão do seu povo, que inova sempre e acredita em seu potencial para crescer. A avaliação é do pioneiro e empresário Aureo Candido Costa, que faz parte dessa história há 60 anos. “Eu admiro a pujança, a coragem e a visão do povo de Rondonópolis”, afirma.

Tendo chegado em Rondonópolis em 1963, Aureo conta que viu a cidade se transformar e evoluir grandemente ao longo do tempo. Quando aqui chegou, lembra que não havia rede telefônica, água encanada, asfalto e, praticamente, não podia contar com energia elétrica. “Quando dava sete horas da noite, a gente ouvia muito o barulho do gerador. A energia funcionava a gerador”, recorda.

Sem asfalto, o pioneiro conta que Rondonópolis era conhecida antigamente pelo grande poeirão que se formava sobre a cidade. Ele diz que quem vinha de Campo Grande (MS), ao chegar na região da fazenda Guarita, parte alta da área rural, avistava a cidade no horizonte envolta de uma grande nuvem de poeira, proveniente de uma terra bem avermelhada que se levantava. O primeiro calçamento urbano foi feito pelo então prefeito Hélio Garcia.

Principalmente a partir da década de 1970, Rondonópolis passou a se desenvolver de forma acelerada. Aureo Costa foi um dos visionários e pioneiros que tiveram a coragem de investir no município com os mais diversos empreendimentos imobiliários e comerciais, como a Vila Aurora, o Rondon Plaza Shopping, o Village do Cerrado, o Royal Boulevard, o Unique Higienópolis, o Hotel Comfort, entre outros.

O empresário também ficou conhecido pelas muitas doações de áreas para entidades, instituições, clubes de serviços, igrejas e serviços públicos, destacando para a Universidade Federal (com 60 hectares), ao parque de exposições, ao cemitério municipal, à Cohab Velha, e dezenas de outros na região da Vila Aurora e Sagrada Família. “Particularmente, acho que ainda fiz pouco pela cidade; poderia ter feito mais”, avalia.

Ao ver Rondonópolis nos dias atuais, Aureo acredita que a cidade tem ficado cada vez mais bonita, com mais estrutura e vias largas, como as avenidas dos Estudantes e Poguba. Ele se alegra ainda ao testemunhar o elevado número de edifícios de grande porte em construção, evidenciando a força da economia e projetando uma cidade futurista. “As construções de edifícios existentes demonstram que Rondonópolis está se tornando uma cidade de bom tamanho, com boa estrutura”, diz.

Apesar do crescimento e desenvolvimento local, o empresário acredita que falta a Rondonópolis um pouco mais de organização e agilidade nos serviços públicos. “Para ficar melhor falta rapidez na solução dos problemas. É inadmissível uma pessoa para obter um alvará de construção ficar quatro, até seis meses, esperando. Isso trava e até faz o empresário desistir de investir aqui, levando o investimento para outras cidades”, lamenta.

Nesse aniversário de 70 anos de Rondonópolis, o pioneiro revela que tem muita alegria por ter sido tão bem acolhido pela cidade e sua gente. Nisso, avalia que o povo de Rondonópolis é sempre muito grato por tudo, estimulando a todos a batalhar pelo seu desenvolvimento. Apesar de ter nascido em Guiratinga, ele afirma que adotou Rondonópolis como sua cidade natal.

“Só tenho que dar vivas, vivas e vivas à cidade e ao povo de Rondonópolis”, externa ele nesta data comemorativa.

+ Acessados

Veja Também