Supremo confirma disputa presidencial de extremos e implode candidatos de centro

Foto: Fernando Frazão/Marcelo Camargo-Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou no fim da tarde de quinta-feira (15), a anulação das condenações do ex-presidente Lula, com base na Operação Lava Jato. O plenário do STF formou maioria e ratificou a decisão do ministro Edson Fachin.

Com o martelo batido na esfera jurídica, as atenções agora estão voltadas para política. O posicionamento do STF abre caminho para uma disputa presidencial polarizada, por extremos. Jair Bolsonaro e Lula prometem deixar o país ainda rachado e tenso nos próximos meses. Os dois atores políticos conservam falas fortes, discursos radicais e gostam de jogar para a plateia.

Até o momento, a pandemia fora de controle, economia sem grandes perspectivas e inflação devorando a cesta básica do brasileiro jogam a favor de Lula. Mas o jogo pode virar, caso Bolsonaro e seu pelotão, ampliem em 300% o ritmo da vacinação do Brasil e editem um milagre do crescimento, no segundo semestre de 2021. O cenário para 2022 seria menos sombrio e o capitão conseguiria de volta apoio de setores importantes.

Ciro, Doria, Hulk e cia correm por fora e tenta agregar essa turma para seus projetos. A barreira são os números. As últimas pesquisas indicam que as chances do pessoal da terceira via são mínimas. Mas como política é igual nuvem e muda a cada momento, fatos novos podem acontecer.