Palmeiras sobe chances de título para 56%, Flamengo tem 24%; veja possibilidades de permanência e G-4

Globo Esporte

Globo Esporte

Foto: @flamengo - Instagram

Palmeiras sobe chances de título para 56%, Flamengo tem 24%; veja possibilidades de permanência e G-4

Botafogo mantém 13% de chances de título, e Atlético-MG sobe para 3,26% e tem confronto direto contra o Rubro-Negro carioca para se manter vivo na disputa do Brasileirão 2023

Na base da raça, o Palmeiras buscou empate diante do Fortaleza fora de casa em jogo que ficou com um a menos a partir de 13 minutos do segundo tempo, manteve a liderança do Campeonato Brasileiro após 35 rodadas e subiu suas chances de título para 56,40%; estava com 45,93%. Se vencer seus três últimos jogos contra o lanterna América-MG, Fluminense e Cruzeiro garante o 12º título brasileiro da sua história.

Mesmo sem chegar à primeira colocação, a rodada de fim de semana foi favorável ao Flamengo, que foi de 11,69% para 24% de possibilidades de ser campeão. A equipe rubro-negra tem os mesmos 63 pontos que o líder Palmeiras e ultrapassou o Botafogo na classificação geral para se firmar na vice-liderança do Brasileirão. Os alvinegros, sem vencer há oito partidas, viram suas chances de título despencar de 28,88% para 13%.

Chances de título no Brasileirão 2023 após a rodada 35 — Foto: InfoEsporte

Chances de título no Brasileirão 2023 após a rodada 35 — Foto: InfoEsporte

O próximo confronto do Flamengo promete emoção, já que recebe rival que também segue sonhando com a taça: o Atlético-MG. O Galo passeou diante do Grêmio ao vencer por 3 a 0 no último domingo e aumentou suas chances de 1,50% para 3,26%. Mas pode melhorar ainda mais esse cenário na próxima quarta-feira. Se vencer o Fla e o Botafogo tropeçar diante do Coritiba, os atleticanos podem assumir a vice-liderança do campeonato a dois jogos do fim.

Chances de título no Brasileirão

Após a 35ª rodadaTítulo
Palmeiras56,40%
Flamengo24,00%
Botafogo13,00%
Atlético-MG3,26%
Bragantino1,74%
Grêmio1,60%

Fonte: Espião Estatístico. Projeção: Bruno Imaizumi

Em parceria com o economista Bruno Imaizumi, analisamos todas as finalizações cadastradas pelo Espião Estatístico em 4.149 jogos de Brasileirões desde a edição de 2013, que servem de parâmetro para medir a produtividade atual das equipes no ataque e na defesa a partir da expectativa de gol (xG), métrica consolidada internacionalmente. Os dados ajudam a calcular as chances de cada equipe vencer os jogos restantes, fazendo 10 mil simulações para cada partida a ser disputada, o que resulta nos percentuais do quadro abaixo. A metodologia empregada está explicada no final do texto.

Chances de permanecer na Série A

A vitória do Cruzeiro sobre o Goiás no fechamento da 35ª rodada complicou bastante as possibilidades do time esmeraldino seguir na Série A: foi de 4,09% para apenas 0,20%. A Raposa, com um gol assinalado nos acréscimos, aumentou as chances de permanência indo de 83,50% para 92,75%.

O Goiás joga a vida na próxima quinta-feira em Porto Alegre diante do Grêmio. Um empate pode decretar a queda esmeraldina. Já o Cruzeiro recebe o Athletico-PR, no Mineirão, e terá a oportunidade de se livrar de vez do risco de rebaixamento.

Chances de permanência na Série A do Brasileirão 2023 após a rodada 35 — Foto: InfoEsporte

Chances de permanência na Série A do Brasileirão 2023 após a rodada 35 — Foto: InfoEsporte

O Bahia teve uma vitória impressionante diante do Corinthians na sexta-feira passada, mas sua permanência na Série A segue muito ameaçada. O bom resultado fora de casa ajudou a aumentar essas chances de 43,48% para 64,13%.

Ainda no Z-4 do Brasileirão, o Tricolor baiano diminuiu a distância para as equipes fora da zona de perigo e, se vencer o São Paulo nesta quarta-feira, vai finalmente deixar o grupo dos quatro últimos, pois Vasco e Corinthians se enfrentam e um deles será ultrapassado pelo Bahia. Para ganhar mais posições ainda, os baianos vão precisar secar Santos e Cruzeiro.

Chances de permanecer na Série A

Após a 35ª rodadaPermanência
Cuiabá99,99%
São Paulo99,94%
Internacional99,08%
Fortaleza97,36%
Cruzeiro92,75%
Corinthians86,82%
Vasco80,75%
Santos78,98%
Bahia64,13%
Goiás0,20%
Coritiba (rebaixado)0%
América-MG (rebaixado)0%

Fonte: Espião Estatístico. Projeção: Bruno Imaizumi

Chances de Libertadores

A 35ª rodada garantiu as classificações de Palmeiras, Flamengo e Botafogo para a próxima Libertadores, já que matematicamente as três equipes não podem mais ser ultrapassadas pelo Athletico-PR, única equipe fora do G-6, que ainda tem alguma chance de terminar na zona de classificação para a principal competição sul-americana: 1,14%. O Fluminense também tem possibilidades de ficar entre os seis primeiros, mas, como atual campeão da Libertadores, sua vaga iria para o sétimo colocado do Brasileirão.

Chances de G-4 no Brasileirão 2023 após a rodada 35 — Foto: InfoEsporte

Chances de G-4 no Brasileirão 2023 após a rodada 35 — Foto: InfoEsporte

Em relação ao G-4, a briga segue intensa e ninguém está 100% garantido até o momento. A maior subida nesta disputa foi do Atlético-MG que foi de 31,72% para 50,98% de possibilidade de vaga direta na fase de grupos da próxima Libertadores. O Palmeiras subiu de 95,90% para 97,85%, o Flamengo evoluiu bem de 72,06% para 89,16%, e o Botafogo teve leve queda de 89,84% para 83,61%.

Derrotados no fim de semana, Bragantino e Grêmio sofreram na disputam pelo G-4 do Brasileirão. O Massa Bruta saiu de 59,08% para 41,50%, e o Tricolor gaúcho de 51,24% para 36,82%. Para voltarem firmes a essa disputa, seus próximos compromissos em casa são decisivos. O Braga recebe o Fortaleza, e o Grêmio pega o Goiás.

Chances de ir para a Libertadores

Após a 35ª rodadaG-4G-6
Palmeiras97,85%100%
Flamengo89,16%100%
Botafogo83,61%100%
Atlético-MG50,98%99,26%
Bragantino41,50%97,73%
Grêmio36,82%97,61%
Fluminense*0,08%4,26%
Athletico-PR0%1,14%

Fonte: Espião Estatístico. Projeção: Bruno Imaizumi. *Fluminense já está classificado para a Libertadores.

Metodologia

Apresentamos as probabilidades estatísticas baseadas nos parâmetros do modelo de “Gols Esperados” ou “Expectativa de Gols” (xG), uma métrica consolidada na análise de dados que tem como referência as finalizações cadastradas pelo Espião Estatístico em 4.124 jogos de Brasileirões desde a edição de 2013.

As variáveis consideradas no modelo são: (1) a distância e o ângulo da finalização em relação ao gol; (2) se a finalização foi feita cara a cara com o goleiro; (3) se foi feita sem a presença do goleiro; (4) a parte do corpo utilizada para concluir; (5) se a finalização foi feita de primeira, ajeitada ou carregada; se o chute foi feito com a perna boa ou ruim do jogador; (6) a origem do lance (pênalti, escanteio, cruzamento, falta direta, roubada de bola, lateral etc); (7) se a assistência foi feita de dentro da área; (8) a posição em que o atleta joga; (9) indicadores de força do chute; (10) o valor de mercado das equipes em cada temporada a partir de dados do site Transfermarkt (como proxy de qualidade do elenco); (11) o tempo de jogo; (12) a idade do jogador; (13) a altura do goleiro em jogadas originadas de bolas aéreas; (14) a diferença no placar no momento de cada finalização.

De cada cem finalizações da meia-lua, por exemplo, apenas sete viram gol. Então, uma finalização da meia-lua tem expectativa de gol (xG) de cerca de 0,07. Cada posição do campo tem uma expectativa diferente de uma finalização virar gol, que cresce se for um contra-ataque por haver menos adversários para evitar a conclusão da jogada. Cada pontuação é somada ao longo da partida para se chegar ao xG total de uma equipe em cada jogo. Essa variação indica as chances de os times vencerem cada adversário e, a partir daí, é calculada a chance de os clubes terminarem o campeonato em cada posição.

O modelo empregado nas análises segue uma distribuição estatística chamada Poisson Bivariada, que calcula as probabilidades de eventos (no caso, os gols de cada equipe) acontecerem dentro de um certo intervalo de tempo (o jogo). Para chegar às previsões sobre as chances de cada time terminar o campeonato em cada posição foi empregado o método de Monte Carlo, que basicamente se baseia em simulações para gerar resultados. Para cada jogo ainda não disputado, realizamos dez mil simulações.

*A equipe do Espião Estatístico é formada por: Gabriel Leonan, Guilherme Maniaudet, Guilherme Marçal, João Guerra, Leandro Silva, Roberto Maleson, Roberto Teixeira, Valmir Storti e Victor Gama.

+ Acessados

Veja Também