Luta Olímpica de MT ganha três medalhas nacionais nos Jogos Escolares


Lutadores de Wrestling de Mato Grosso conquistaram três medalhas na etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude (JEJs), que ocorre de 03 a 12 de setembro, em Fortaleza (CE). Os seis atletas, três masculinos e três femininos, da categoria B (de 12 a 14 anos), faturaram, nas disputas individuais, prata com Igor Fernando de Queiroz e bronze com Larissa Tywaki. E, nas lutas por equipe, subiram na segunda posição do pódio, a da medalha de prata.

Segundo o presidente da Federação Mato-grossense de Jiu-jitsu e Lutas Associadas (FMTJJLA), instituição responsável por gerir e promover o Wrestling, mais conhecido por Luta Olímpica, Francisco José Fernandes, o ‘Chicão’, ao todo o estado já têm sete medalhas nacionais. Foram dois bronzes em 2013 (Guilherme e Josiel), dois bronzes em 2014 (Josiel e Larissa) e uma prata e um bronze em 2015 (Igor e Larissa). E a sétima foi a prata por equipe.

“O mais importante foi a medalha por equipe. Resultado inédito para MT. Ficamos à frente de estados como Manaus e São Paulo, que são referência na modalidade. Foi a primeira vez que subimos ao pódio por conjunto. Isso consolida todo trabalho realizado. Comprova a qualidade do grupo de atletas. E podemos conquistar mais ainda neste ano. Nossa categoria A (de 15 a 17 anos) vai lutar de 12 a 21 de novembro, em Londrina (PR)”, comenda o presidente, Chicão.

Campeões

Um dos campeões foi o cuiabano de ‘Chapa e Cruz’, Igor Fernando Alves de Queiroz, de 13 anos, que começou a praticar lutas ainda neste ano e, só no Wrestling, já faturou dois ouros e uma prata. Venceu nos Jogos Estudantis Cuiabanos (JECs), ganhou na etapa estadual dos Jogos Escolares da Juventude (JEJs), e agora na nacional dos JEJs. O garoto, que começou nas lutas por influência do pai, teve início no Taekwondo e hoje pratica Jiu-jitsu, Judô e a Luta Olímpica.

“Foi por pouco que não ganhei. Estava vencendo a luta, mas num único momento de distração deixei o ouro escapulir. Ele me esgrimou e deu um Double Leg. Que é um golpe em que se ataca as pernas e se joga o oponente no solo. Dai ele segurou minhas costas no tatame e consolidou o Touché. De qualquer forma foi um ano excelente. Com medalhas também em outras modalidades. Agora vou treinar ainda mais para o próximo ano”, diz Igor, vulgo ‘Idjão’.

Outra campeã foi Larissa Tywaki Pedroso, de 13 anos, uma indiazinha que mora na aldeia Pakuera (100 km de Paranatinga). A jovem viaja da aldeia até Paranatinga uma vez por semana para treinar Wrestling. Nos demais dias corre, na mata ao redor do povoado onde mora, como forma de preparação física. Essa foi a segunda medalha nacional da menina, a primeira foi em 2014 (bronze) e a segunda agora em 2015 (bronze).

“Eu tenho o sonho de ser atleta profissional. De poder viajar e lutar pelo mundo todo. E para isso estou determinada. Mesmo tendo que percorrer uma grande distância para treinar. E, além das aulas de Wrestling, também tenho preparado meu físico. Corro bastante todo dia na aldeia. Pra ficar com as pernas fortes e não cansar quando estiver no tatame. Assim não será nada fácil me derrubar”, conta Larissa Tywaki.