Impedido funcionar, Hotel pode demitir mais de 40 pessoas em Rondonópolis


O Hotel Piratininga, um dos mais tradicionais de Rondonópolis deve demitir 48 funcionários. A empresa possui duas unidades no município e nesta quarta-feira, o Procon, Vigilância Sanitária e Polícia Militar exigiram que o Hotel fechasse as portas e suspendesse  os atendimentos.  

A unidade da rua Fernando Corrêa fechou há 13 dias, sendo mantido todos os empregos e a segunda unidade que estava funcionando só com 20% de sua capacidade localizada na avenida  Amazonas já não hospeda novas pessoas desde ontem e está despejando os que restam até amanhã (2).

Além do impacto das  demissões o hotel também era referência em hospedagem de profissionais da saúde que vão ficar desabrigados, o local virou o principal ponto de hospedagem de médicos que atuam nos hospitais locais e estão na linha de frente no combate do Coronavírus em Rondonópolis. 

A direção do hotel divulgou que esses médicos serão despejados, e eles teriam adotado a estratégia de se hospedar em hotel para evitar o contato direto com familiares. 

O Piratininga é apenas um exemplo que pode repercutir em demissões em massa no setor de hotelaria na cidade.

Em Rondonópolis, até o dia 31 de março, estavam registrados quatro casos de Coronavírus com 44 suspeitos e com apenas um paciente internado em UTIs. A cidade não tem mortes registradas até o momento.