Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá realizará gratuitamente testes rápidos de HIV

Governo reduz tarifas de importação de medicamento de HIV no MercosulomSTJ: homem deve pagar indenização por transmitir HIV a ex-mulherem deve pagar indenização por transmitir HIV a ex-mulher
Arquivo/Agência Brasil

O Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá irá promover os testes rápidos para diagnóstico de HIV, o exame oferecido é 100% gratuito e o resultado sigiloso. A ação será entre os dias 10 e 11 de dezembro, das 8h às 12h e das 13h30 às 16h30. Para participar do evento é necessário apenas comparecer ao hospital no horário, portando o cartão do SUS e um documento de identificação.

Essa atividade integra a campanha ‘Dezembro Vermelho’, que tem como objetivo chamar atenção para as medidas de prevenção, assistência, proteção e promoção dos direitos das pessoas vivendo com HIV.

Segundo a médica infectologista do Hospital Geral, Kadja Samara, para fazer o teste rápido basta uma gota de sangue para análise. “O diagnóstico no início é importante para o tratamento, já que a imunidade do organismo vai diminuindo com a evolução da doença, o que pode propiciar infecções oportunistas com complicações para o paciente”.




Kadja destaca que é importante que a pessoa que não tem conhecimento da sua sorologia que procure o serviço para testar, porque o quanto antes for diagnosticado o HIV com início precoce do tratamento, melhor será a qualidade de vida dessa pessoa.

De acordo com a enfermeira do setor de Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do HG, Alessandra da Sia, o hospital participa de todas as campanhas de conscientização que alertam a sociedade sobre os cuidados com a saúde. “As duas causas do mês de dezembro são extremamente importantes para a população. O Brasil é um país que registra muitos casos de câncer de pele e a utilização de proteção não é rotina. E, com a AIDS, precisamos de ações contínuas de prevenção, só assim evitaremos contaminações e diminuiremos a mortalidade”.

Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 900 mil pessoas possuem o HIV no Brasil. Desse número, 135 mil não sabem que estão infectadas. No mundo, a Organização das Nações Unidas estima que existem 1,7 milhão de pessoas com o vírus. Por isso, a Organização Mundial de Saúde orienta que os países busquem a meta 90-90-90. Isso é, o diagnóstico de 90% das pessoas infectadas. Dessas, que 90% tenham acesso ao tratamento. E, por fim, que 90% consiga reduzir o vírus a níveis indetectáveis.

É importante ressaltar que, hoje em dia, nem todo mundo que é portador do vírus HIV chega a adquirir Aids.

A transmissão do HIV se dá através da troca de fluidos corporais (sangue, leite materno e sêmen). Vale frisar que interações comuns como tocar, beijar, dividir objetos não transmite o vírus. Isso é importante para conscientizar a população a fim de diminuir a discriminação sofrida pelos portadores dessa doença.

Câncer de Pele

O câncer de pele é muito comum no Brasil (25% dos tumores malignos diagnosticados), ocorre por causa do excesso de exposição aos raios ultravioleta do sol.

Eles podem ser de vários tipos de câncer de pele. Os mais comuns são os carcinomas (carcinoma basocelular e carcinoma epidermoide) com incidência mais alta, porém menor gravidade, e os melanomas que, apesar de menos frequentes, são mais graves por causa do risco de metástases aumentado.

Pessoas com história familiar da doença, de pele e olhos claros, cabelos loiros ou ruivos, albinas, as que se expõem ao sol e a agentes químicos excessivamente e têm muitas pintas constituem a população de maior risco para desenvolver a doença.

Segundo o Inca, para o Brasil, a estimativa para cada ano do triênio 2020-2022 aponta que ocorrerão 625 mil casos novos de câncer (450 mil, excluindo os casos de câncer de pele não melanoma). O câncer de pele não melanoma será o mais incidente (177 mil). O cálculo global corrigido para o sub-registro, aponta a ocorrência de 685 mil casos novos.