Fagundes defende eleições únicas e prorrogação de mandatos de prefeitos e vereadores

Agência Senado



O senador Wellington Fagundes (PL) defendeu a unificação das eleições e o adiamento do processo eleitoral municipal para 2022. O parlamentar de Mato Grosso entende que as eleições únicas seria uma forma de reduzir custos e principalmente diante da Pandemia do Coronavírus poderia ser uma boa iniciativa.

Fagundes ainda lembrou que não é de hoje que defende essa iniciativa, mas a proposta tem ganhado força nas últimas semana junto a classe política. “Defendo a UNIFICAÇÃO DAS ELEIÇÕES e o adiamento delas para 2022. Não é de hoje que apoio a proposta de unificar o certame para reduzir custos de forma expressiva, mas creio que a situação em função do Coronavírus nos faz otimizar custos!”, destacou o senador em suas redes sociais.

Pela proposta, os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores seriam estendidos por mais dois anos. A última vez, que ocorreu, eleições únicas no Brasil foi em 1982.

No entanto, naquele momento, os eleitores não puderam votar para presidente, pois o maior cargo da república era escolhido pelo voto indireto.

Neste ano, a ministra Rosa Weber determinou a suspensão das eleições suplementares para o senado em Mato Grosso, que estavam marcadas para abril, em razão do coronavírus.