Empaer apoia Congressos nacionais de floricultura; inscrições estão abertas

Empaer apoia Congressos nacionais de floricultura; inscrições estão abertas

A Empaer possuir um laboratório de Cultura de Tecidos de Plantas, no Centro de Pesquisa de Várzea Grande e trabalha com a produção de mudas e flores de plantas tropicais, no Campo Experimental em Acorizal

Dois importantes eventos nacionais, o 23º Congresso Brasileiro de Floricultura e Plantas Ornamentais (23º CBFPO) e o 10º Congresso Brasileiro de Cultura de Tecidos de Plantas (10º CBCTP), contam com apoio da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), em conjunto com a Faculdade de Agronegócios de Holambra (FAAGROH) – Faculdade das Flores. O Evento ocorrerá durante quatro dias, 19 a 22 de outubro de 2021, na modalidade online.

A abertura irá contar com a participação do presidente da Empaer, Renaldo Loffi e representando a FAAGROH, a doutora Cinara Libéria e a pesquisadora da Empaer, doutora Dalilhia Santos, além dos responsáveis pela promoção do evento os doutores Ana Ledo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Petterson Baptista, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

A presidente do 10º CBCTP, pesquisadora da Empaer, doutora Dalilhia Santos, especialista no segmento, destaca a importância dos dois eventos. “Ambos trazem temas atuais por meio da participação de palestrantes que são referências no país. Além do mais, a realização conjunta dos dois Congressos permite unir os esforços da ciência e do setor produtivo, visando à evolução de ambas as áreas dos Congressos. A ciência e o setor produtivo andam juntos pois, por vezes o setor produtivo gera as demandas de pesquisa para a ciência, por meio da identificação de problemas. A ciência gera o conhecimento que resolve os problemas e o setor produtivo aplica o conhecimento gerado no trabalho do dia a dia.”

A pesquisadora frisa que foi convidada para ser presidente do 10º CBCTP e vê como uma grande oportunidade para o Estado estar à frente de um evento de tamanha projeção nacional.

“Convidamos os agricultores do ramo, estudantes e quem estiver interessado em conhecer esse nicho de mercado que vem crescendo a cada dia. A Empaer possuir um laboratório de Cultura de Tecidos de Plantas, no Centro de Pesquisa de Várzea Grande e trabalha com a produção de mudas e flores de plantas tropicais, no Campo Experimental em Acorizal”, pontua.

A também pesquisadora da Empaer, doutora Danielle Müller, no cargo de secretária do 10º CBCTP, frisou que Mato Grosso tem demanda e consumo, porém, boa parte da produção vem de outros estados.

“O fato de observarmos o crescente aumento da sessão de flores e plantas ornamentais nos supermercados do Estado, evidencia que há consumidores e que estes são crescentes. O Estado de Mato Grosso tem clima e solo favoráveis ao cultivo das flores tropicais, as quais têm vantagens como durabilidade pós-colheita. Exemplificando, enquanto um buquê de rosas irá durar cinco dias sob o clima de Cuiabá, um buquê de flores tropicais tem potencial para durar o dobro de tempo. Portanto, o investimento na atividade é benéfico aos agricultores e aos consumidores”.

As pesquisadoras da Empaer convidam técnicos, produtores, empresários, pesquisadores, docentes e estudantes vinculados ao setor de floricultura, paisagismo e propagação de plantas in vitro, além das principais empresas do setor, a participarem do evento, pois terão a oportunidade de conhecer as novidades de ambas as áreas. Por ser na modalidade online, as inscrições podem ser realizadas até na véspera da abertura do evento.

Pesquisadoras da Empaer, doutoras Dalilhia Santos é a presidente do 10º- CBCTP e Danielle Müller, na função de secretária do evento  Foto: Empaer-MT

Mercado promissor

A área de floricultura e plantas ornamentais vai desde flores de corte, plantas envasadas, até a produção de árvores de grande porte. É uma atividade que proporciona alta rentabilidade por área cultivada, mesmo em pequenas propriedades. A floricultura brasileira já é considerada uma atividade agrícola de destaque econômico. O Circuito da Flores de São Paulo produz sete de cada dez plantas ornamentais comercializadas no país.

A área de floricultura e plantas ornamentais utiliza a técnica de cultura de tecidos de plantas para a produção de mudas, conhecidas popularmente como mudas in vitro ou mudas micropropagadas. Dentre as plantas produzidas em laboratório no Brasil (chamados de Biofábricas), as principais são as frutíferas, como banana, abacaxi e morango. São produzidas em torno de 7,5 milhões de mudas de bananeira, por mais de 34 biofábricas brasileiras. Em seguida vem à produção de mudas de flores e plantas ornamentais, com ênfase para as orquídeas, bromélias e antúrios, sendo que 90% das mudas de orquídeas são produzidas em laboratório.

Sendo assim, como São Paulo, por meio da cidade de Holambra, concentra a produção e comercialização de flores, plantas ornamentais e mudas micropropagadas do Brasil, a região foi escolhida para realização dos dois congressos.

Serviço

O que: 23º Congresso Brasileiro de Floricultura e Plantas Ornamentais – 23º CBFPO e o 10º Congresso Brasileiro de Cultura de Tecidos de Plantas 10º- CBCTP
Quando: 19 a 22 de outubro
Modalidade: online
Mais informações pelo link

Noticias Relacionadas