Delegação de Mato Grosso debate mudanças climáticas em Madri

Mato Grosso tem queda no desmatamento pelo quarto mês consecutivo
Foto por: Francisco Alves



Uma delegação com seis autoridades do Governo de Mato Grosso participa da Conferência de Mudanças Climáticas da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP 25, a partir deste sábado (07.12), até 13 de dezembro, em Madri, na Espanha.

O vice-governador Otaviano Pivetta e a secretária de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, e outros membros do Governo estarão na missão. O objetivo da delegação é divulgar os projetos internacionais relativos ao tema, que são executados em Mato Grosso, além de identificar aliados e parceiros para novas ações. A delegação embarca no final da tarde deste sábado para a capital espanhola.

Um dos principais assuntos dos debates e foco das deliberações será a definição das regras do mercado de carbono, previsto no Acordo de Paris, aprovado em 2015 por 195 países. O compromisso firmado pelas nações é para impedir que a temperatura média no mundo aumente mais do que 2 graus Celsius (2º C).

A nova diretriz deve substituir o Protocolo de Kyoto (Japão), assinado em 1997, cuja meta era reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa na atmosfera e aquecimento global (dióxido de carbono – CO2, é um deles). Os gases são consequências do modelo de produção industrial contemporânea e formas de consumo.

A secretária de Meio Ambiente afirma que o objetivo da missão do Governo na COP 25 é mostrar os pilares que sustentam todas as políticas públicas de Mato Grosso, voltadas à sustentabilidade.

“Nossas metas estão construídas a partir da estratégia de Produzir, Conservar e Incluir (PCI), com tecnologia para aumentar a  produção com sustentabilidade, reduzir o desmatamento ilegal, construir estratégias com produção da floresta em pé, principalmente, focada no fortalecimento do manejo sustentável”, explica Mauren.

Além de Pivetta e a secretária, participam da COP25 pelo Governo, o secretário executivo da Sema, Alex Sandro Marega; o diretor-executivo do Instituto PCI, Fernando Sampaio; a coordenadora do Programa REM e analista de Meio Ambiente, Ligia Vendramin; e a assessora de relações internacionais, Rita Chiletto. Além de um representante da federação indígena, Crisanto Rudzö Tseremey’wá.

A COP 25 terá a presença dos principais líderes mundiais, ambientalistas e cientistas, cujo principal objetivo é mostrar as ações e iniciativas dos países e Estados subnacionais para combater o aquecimento global.

No total, irão à Europa 15 pessoas de Mato Grosso na comitiva. Entre eles, representantes de outros poderes e órgãos estatais, como da Assembleia Legislativa (deputados Xuxu Dalmolin e Ulysses Moraes), Ministério Público e organizações ligadas à área ambiental. O custo da viagem dos representantes na COP 25 será arcado pelas instituições a que são ligados, de apoio à conferência da ONU ou pelas próprias pessoas.