Brasil ocupa a 58º posição no ranking da internet mais cara do mundo

Veja levantamento para saber qual país paga mais caro pela internet

Governo lança consulta pública para estratégia das redes móveis 5G
Marcello Casal/Agência Brasil



Ter acesso à internet já parece ser um item básico dentro das casas da população, não é? É aí que muita gente se engana! Por isso, o Cuponation, plataforma de descontos online e integrante da alemã Global Savings Group, levantou dados sobre a acessibilidade e o preço da internet no Brasil e no mundo.

De acordo com um estudo recente feito pela Numbeo, o Brasil  ocupa atualmente a 58º posição do ranking dos 100 países que pagam mais caro para ter acesso à internet (60 Mbps ou mais, Dados ilimitados, Cabo/ADSL). O custo que cada brasileiro paga para ter acesso mensal é, em média, de R$114, 15 – o que corresponde à 10,99% do salário mínimo, que pousa em R$ 1.039,00 este ano, segundo o IBGE.

Referente ao estudo, os Emirados Árabes Unidos aparecem em primeiro lugar – sendo, portanto, o país que cobra o maior valor pela internet, cerca de R$420,22. Catar e Guatemala se posicionam em segundo e terceiro lugar, respectivamente, pagando cerca de R$364,19 e R$319,61, em sequência, pela internet. A Ucrânia é o país que ocupa a 100º  e última posição da lista, onde os cidadãos pagam R$21,82 pela compra. Confira o ranking completo no infográfico interativo do Cuponation.

O Cuponation foi atrás não somente dos valores, e descobriu que há dois anos  70% da população brasileira já possuía acesso à internet, conforme registro do TIC Domicílios. O dado de 2018 representa um aumento significativo para o país, no qual apenas 67% da população tinha acesso desde a última pesquisa representativa.

Em contrapartida, e mundialmente falando, a situação é diferente. O relatório “Estado da Banda Larga 2019” da Comissão de Banda Larga (representada por empresas e pelas Nações Unidas) registrou que no ano passado apenas 51% da população mundial estava conectada à internet, sendo levado em conta acessos residenciais ou em dispositivos móveis. De acordo com a comissão, a meta é chegar à 75% de penetração mundial até 2025.