BR-163: a nova estrada da soja


“A redução no custo do frete e a maior competitividade dos produtos agrícolas de Mato Grosso estão entre os resultados da conclusão da pavimentação da BR-163”. A opinião é do senador Wellington Fagundes, presidente da Frente Parlamentar de Logística de Transportes e Armazenagem, que participou, nesta sexta-feira (14.02), da inauguração do último trecho de 51 km que ainda faltavam ser pavimentados.

A solenidade contou com a participação do presidente Jair Bolsonaro, do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e dos governadores Mauro Mendes (Mato Grosso) e Helder Barbalho (do Pará).

“Esta será a nova estrada da soja”, disse o senador. Segundo ele, hoje pelo menos 18% dos grãos produzidos em Mato Grosso já são escoados pela rodovia e a previsão é de que esse volume chegue a 25%. E os resultados no custo do frete já são registrados. Segundo a Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja), o preço já caiu até R$ 4 por saca após a pavimentação.

De Mato Grosso, a soja chega aos portos do rio Tapajós, onde é embarcada em direção aos mercados da Ásia.

Durante a solenidade, o senador lembrou da participação do coronel José Meirelles, que comandou equipes do 9º BEC na abertura da estrada a partir de Cuiabá, e dos militares do 8º BEC, responsáveis pelo trecho no Pará.

“A obra começou em 1974 e somente hoje, quase cinco décadas depois, concluímos essa odisseia”, diz o senador.

O governador Mauro Mendes também ressaltou a importância da obra e os benefícios que trará para a economia de Mato Grosso, mas não deixou de lembrar ao presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, da importância de conclusão de outras rodovias e a implantação de ferrovias no Estado.

O ministro disse que a conclusão da BR-163 era um sonho que não conseguiu concretizar quando foi diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e agradeceu ao presidente a oportunidade de agora, como ministro, conseguir fazê-lo. Em resposta a Mauro Mendes, ele disse: “aguarde que muita coisa ainda virá”.

Já o governador Hélder Barbalho disse que o Pará vai permitir que o Brasil cresça, graças à logística de transportes e lembrou que ainda faltam 50 km de Itaituba até Santarém para serem pavimentadas e outros 150 km da Transamazônica.

“O futuro está nas mãos de quem trabalha. Juntos, vamos fazer mais que todos os que passaram”, disse o presidente.