Atualizada | Equipe da Força Tática que matou por engano um soldado da Polícia Militar é afastada das funções


Após uma cadeia de erros armada em posto de combustíveis, protagonizada por uma guarnição da Força Tática de Cuiabá, o Comando Geral da Polícia Militar, anunciou através de nota oficial, o afastamento da equipe que atuou na ação que vitimou o soldado Ricardo Ferreira de Azevedo, de 36 anos, nesta quinta-feira (28).

A equipe fará apenas trabalhos administrativos até que o caso seja solucionado.

Entenda o caso

Segue nota oficial emitida pelo Comando Geral da Polícia Militar:

A Polícia Militar de Mato Grosso lamenta profundamente o ocorrido e vem a público cumprir o dever de informar que, segundo apuração preliminar, na noite de ontem, 28/05/2020, o soldado Ricardo Ferreira de Azevedo, integrante da 21ª Companhia de Polícia Militar (21ª Cia Centro), de Cuiabá, foi atingido por um disparo feito por uma guarnição da Força Tática do 1º Comando Regional, não resistindo ao ferimento e vindo a óbito.

Soldado Azevedo é do serviço de inteligência e trabalhava na coleta de informações sobre tráfico/uso de drogas, roubos, furtos e demais crimes na região central da Capital. Já no término das atividades do dia, ele e sua equipe foram auxiliar uma guarnição do Batalhão ROTAM que procurava uma moto com ocupantes supostamente vinculados a crimes. Ao chegarem ao posto de combustível que fica no cruzamento das avenidas Rubens de Mendonça (do CPA) e Mato Grosso, identificaram uma moto com as mesmas características da informada pela equipe da ROTAM.

No local, por volta das 21h40min, a guarnição da Força Tática se deparou com a ação realizada pela equipe do soldado Azevedo, não identificou a equipe como policiais militares e efetuou o disparo que atingiu o Sd Azevedo. Levado imediatamente para o HMC, o policial passou por uma cirurgia, porém não resistiu e veio a falecer.

A Polícia Militar lamenta imensamente pela perda trágica e precoce do policial militar e informa que todas as medidas para apuração já estão sendo tomadas, inclusive com o afastamento preliminar dos envolvidos para atividades internas, os demais procedimentos de Polícia Judiciária Militar ocorrem na Corregedoria de Polícia Militar. A PM está dando atenção e assistência aos familiares do soldado Azevedo.