Wellington pede maior presença da CBF para promover o futebol no interior

29 diretórios estaduais ainda não prestaram contas ao tre; prazo termina terça-feira

Como forma de ajudar a promover o desenvolvimento do futebol no interior do país, o senador Wellington Fagundes (PR-MT) cobrou uma maior participação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) nos Estados considerados periféricos. O pedido foi feito durante pronunciamento, esta semana, para destacar a confirmação do clube União de Rondonópolis como segunda equipe a representar Mato Grosso no Campeonato Brasileiro da Série D e o esforço que será feito pela diretoria.

“Já tivemos aqui a oportunidade de discutir na CPI [do Futebol] e cobramos, de forma bastante enfática, mais presença da CBF nos Estados” – lembrou o senador republicano. Wellington foi membro da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado que, entre outras, debateu a necessidade de melhoria na atuação da entidade para fortalecimento do futebol em todo país.

Na época, Fagundes pediu aos dirigentes da entidade máxima do futebol brasileiro que ajudassem a promover os campeonatos regionais. Uma das fórmulas de estímulo também seria a de levar as seleções de base do Brasil para jogos em praças esportivas fora dos maiores centros.

Wellington relatou aos senadores o entusiasmo na população de Rondonópolis – sua terra natal – com a decisão da CBF em confirmar o clube da cidade como o novo representante do Estado na competição nacional. Fundado em 6 de junho de 1973 e dono da segunda maior torcida do Estado, o União disputará o Brasileiro da Série D ao lado do Sinop Esporte Clube.

“O desejo de disputar um Brasileiro era um objetivo perseguido pela atual diretoria do União, presidido por Edicarlos Olegini, que vem trabalhando para manter a tradição do clube e avançar ainda mais no cenário esportivo de Mato Grosso” – disse o senador.

Fagundes destacou que o futebol se tornou “assunto de alto profissionalismo” e que “exige uma estrutura imensa”. Os clubes enfrentam grandes dificuldades para se manterem. O futebol mato-grossense, segundo ele, “vem procurando encontrar um caminho para se firmar no cenário dos grandes eventos”. Um dos fatos motivadores, relatado por Fagundes, foi a construção da Arena Pantanal, sede da Copa do Mundo em 2014.

Ele também mencionou as boas campanhas do Luverdense na Série B do Campeonato Brasileiro e do Cuiabá Esporte Clube, na Série C, e parabenizou os dirigentes dos dois clubes, Helmut Lawisch e a família Dresch. Ainda lembrou o legado de dedicação de Carlos Orione, por 39 à frente da Federação Matogrossense de Futebol.

Para Wellington, uma boa participação do União e do Sinop, assim como das demais equipes nas competições nacionais, ajudará a projetar melhor o Estado perante o Brasil. Ele lembrou que Mato Grosso já é reconhecido pela sua contribuição ao desenvolvimento nacional, principalmente como “campeão da produção”.