“Selma fica até o último dia do mandato”, garante Medeiros

medeiros participa de assinatura de acordo de cooperação com o programa criança feliz

O deputado federal José Medeiros (Podemos) acredita que a senadora Selma Arruda, que nesta quarta-feira (18) filou-se ao Podemos não deve ser cassada. “Selma não cometeu crime algum. O único crime que cometeu foi ter sido a primeira na votação e a segunda mulher na história de Mato Grosso a virar senadora. Esse é o crime da Selma, ousar. Ousar contra as oligarquias do Estado de Mato Grosso. Isso é um pecado que não passa impune ali. Quem perdeu está tentando ganhar a eleição na mão grande, como se ninguém tivesse feito pré-campanha. O Podemos está de braços abertos. Casa aberta, ar-condicionado ligado e tapete vermelho. Quero dizer para os pré-candidatos ao Senado tirar o cavalinho da chuva, que está trovejando. Selma fica até o último dia do mandato”, disse Medeiros.

Selma foi cassada pelo Tribunal Regional Eleitoral por caixa 2 e abuso de poder econômico, a senadora, no entanto, recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral e permanece no cargo, até o julgamento final da ação.

No entanto, o recado de Medeiros foi dado aos grupos que apostam na cassação e começaram a lançar pré-candidatos ao senado. O cacique do MDB, Carlos Bezerra, declarou à imprensa cuiabana, que a sigla pode lançar ele próprio, ou a ex-deputada Teté Bezerra, o deputado federal Juarez Costa ou até mesmo o deputado estadual Thiago Silva.

O ex-vice-governador Carlos Fávaro também está trabalhando um projeto apostando na cassação de Selma. O ex-prefeito de Rondonópolis Adilton Sachetti seria outro nome interessado na disputa. O ex-governador e decano na política de Mato Grosso, Julio Campos, é outro que não descarta disputar. A lista ainda tem os deputados estaduais Botelho, Max Russi e Dilmar Dalbosco.