Programa de aquisição de alimentos vai beneficiar mil famílias em Jaciara

mais de 158 mil veículos devem passar pela br-163 durante o réveillon

Jaciara vai receber mais de 40 toneladas de alimentos durante seis meses. Essa ação é uma parceria do Governo Municipal com o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e deverá beneficiar mais de 3 mil famílias.

O anúncio ocorreu nesta terça-feira, 18 de julho, pelo prefeito, Abdo Mohammad, que recebeu o presidente da Associação 27 de Novembro, formada por pequenos produtores rurais da região, Valmir de Oliveira Assis. “Estamos muitos satisfeitos com o projeto. Já conseguimos cumprir as metas do ano passado e vamos beneficiar mais famílias ainda esse ano”, afirmou o prefeito.

Segundo a secretária de Assistência Social, Luciana Cristina, a distribuição terá início no mês de agosto. “Quase três mil pessoas de baixa renda, serão beneficiadas com alimentos produzidos pelos pequenos produtores rurais do nosso município. As distribuições serão feitas nos CRAS Santo Antônio e Zé Araçá”, explicou.

Criado em 2003, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) é uma ação do Governo Federal para colaborar com o enfrentamento da fome e da pobreza no Brasil e, ao mesmo tempo, fortalecer a agricultura familiar. Para isso, o programa utiliza mecanismos de comercialização que favorecem a aquisição direta de produtos de agricultores familiares ou de suas organizações, estimulando os processos de agregação de valor à produção.

Como funciona

Parte dos alimentos é adquirida pelo governo diretamente dos agricultores familiares, assentados da reforma agrária, comunidades indígenas e demais povos e comunidades tradicionais, para a formação de estoques estratégicos e distribuição à população em maior vulnerabilidade social.

Os produtos destinados à doação são oferecidos para entidades da rede sócio-assistencial, nos restaurantes populares, bancos de alimentos e cozinhas comunitárias e ainda para cestas de alimentos distribuídas pelo Governo Federal.
Outra parte dos alimentos é adquirida pelas próprias organizações da agricultura familiar, para formação de estoques próprios. Desta forma é possível comercializá-los no momento mais propício, em mercados públicos ou privados, permitindo maior agregação de valor aos produtos.

A compra pode ser feita sem licitação. Cada agricultor pode acessar até um limite anual e os preços não devem ultrapassar o valor dos preços praticados nos mercados locais.