Procon-MT concorre a vagas nos conselhos de usuários das empresas de telecomunicações

A votação está aberta até quarta-feira, dia 18 de setembro, no site das operadoras.

O Procon-MT concorre a vagas nos conselhos das operadoras Vivo/Telefônica, Tim e Claro na região Centro-Oeste - Foto por: Procon-MT

A eleição para o biênio 2020-2022 dos Conselhos de Usuários das empresas de telecomunicações está aberta. O Procon-MT concorre a vagas nos conselhos das operadoras Vivo/Telefônica, Tim e Claro na região Centro-Oeste.

A votação é no site de cada uma das empresas até quarta feira, dia 18 de setembro, e as páginas podem ser acessadas pelo site da Anatel .

Para a secretária adjunta do Procon estadual, Gisela Simona, a eleição do órgão na categoria “entidades” é importante para Mato Grosso, considerando que o estado ainda registra problemas diversos com telefonia, que não se restringem ao acesso à internet.

“Ainda temos inúmeras regiões do estado em que nem mesmo ligações é possível fazer, pela precariedade do serviço oferecido. Uma vez presente no conselho de usuários, poderemos analisar as propostas de investimentos e sugerir mudanças. Somos a única entidade mato-grossense que se candidatou às vagas”.

No caso da operadora OI, o Procon-MT teve sua inscrição indeferida uma vez que já participou por dois mandatos consecutivos, não sendo admitida nova recondução.

Para votar no Procon Mato Grosso acesse:

Claro

Vivo 

Tim

O que são os conselhos

Os Conselhos de Usuários foram instituídos pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) pela resolução nº 623, de 18 de outubro de 2013. Segundo a regulamentação, os conselhos têm caráter consultivo e voltados para a avaliação dos serviços e da qualidade do atendimento.  A partir disso, devem formular sugestões e propostas de melhoria para a respectiva região e operadora.

Tais conselhos são constituídos por 12 membros, sendo seis vagas preenchidas por entidades e órgãos que atuam na defesa do consumidor e outras seis vagas destinadas a usuários.

De acordo com a Anatel “cabe às prestadoras, sob a supervisão da agência, a viabilização e a manutenção desses conselhos, o que inclui a realização de eleições dos representantes, a organização das reuniões e o custeio das ações necessárias para tanto”.

Confira aqui mais informações da Anatel.