ONU registra mais de 55 mil casos suspeitos de cólera este mês no Iêmen

estado amplia procedimentos cirúrgicos em rondonópolis

Mais de 55 mil casos de suspeita de cólera foram registrados no Iêmen nas últimas quatro semanas, o que representa um aumento sem precedentes de possíveis afetados pela doença no país, informou nesta terça-feira (30) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (em inglês United Nations Children's Fund – Unicef). A informação é da agência EFE.

Em comunicado, o diretor regional do órgão, Geert Cappelaere, afirmou que o tempo para conter o surto no país está acabando e que a maior parte das suspeitas envolve crianças. "Cada vez mais crianças morrem diariamente no país devido a causas que podem ser prevenidas, como a desnutrição e a cólera", alertou.

No dia 16 de maio passado o Unicef já tinha advertido que as crianças representam um terço das vítimas de cólera no país. Na nota, Cappelaere afirma que o Iêmen não pode continuar nessa situação e destaca a necessidade de interromper o conflito civil que atinge o país para poder tratar os infectados com a doença.

De acordo com o último balanço divulgado pelo governo rebelde do Iêmen, 478 pessoas morreram devido à epidemia de cólera no país. Para conter a expansão da doença, a ONU pediu US$ 55,4 milhões para custear o tratamento nos próximos seis meses. Segundo a organização, cerca de 100 mil pessoas podem contrair a cólera no Iêmen caso o surto da doença não seja contido.

O sistema de saúde do Iêmen está profundamente debilitado, após dois anos de conflito armado entre as forças leais ao presidente do Iêmen, Abdo Rabbo Mansur Hadi, e os rebeldes houthis.