Movimento Hip Hop exibe diversos elementos da sua linguagem neste fim de semana, no Casario

Movimento Hip Hop exibe diversos elementos da sua linguagem neste fim de semana, no Casario
Assessoria

Ambiente onde acontece a cena cultural rondonopolitana, o Casario vai abrigar, neste final de semana, a segunda edição do evento de Hip Hop “É nois na ativa”, organizado pela crew Roots Flow Gang, com entrada franca.

Segundo a Secretaria Municipal de Cultura (Secult), aproximadamente 120 Bboys de Rondonópolis e da Região Sul do Mato Grosso, além de outros de Goiânia, Campo Grande e Rio de Janeiro, vão participar das atividades, que incluem manobras de skate, batalhas de break dance, de freestyle e de all style, entre outras.

Abrindo a programação, no sábado, a partir das 17 horas, haverá manobras de skate e, ainda, um momento aberto para os rappers que desejarem compartilhar o talento com o público apresentando seu rap.

No domingo, a diversão tem início às 14 horas e contará com batalhas de freestyle, all style e break dance. Para escolher os melhores em cada batalha, haverá um júri composto pelos bboys Perninha, José Lima e Marlon.

Perninha que, mesmo sendo deficiente de uma das pernas é considerado um dos melhores dançarinos de breakdance do Brasil, tendo se destacado em diversos campeonatos nacionais e internacionais e transformando-se em exemplo de superação e motivação para as pessoas, vai realizar um oficina de break no domingo, às 14 horas.

Originada nas comunidades de imigrantes jamaicanos, latinos e afro-americanos de Nova York, na década de 70, a cultura Hip Hop tem uma linguagem artística peculiar que integra vários elementos, como rap, breakdance, DJing e graffiti.

O rap caracteriza-se por ser composição com mestres de cerimômia, os MCs, discursando rimas e poesias. Na dança, bboys e bgirs realizam coreografias de breakdance e na música, disc jockeys (DJs) mixam sons de batidas fortes instrumentalizando uma musicalidade singular.

As artes plásticas, por sua vez, são marcadas por registros visuais que expõem desenhos e palavras com enfoque em questões sociais por meio de pigmentos e texturas inscritos em paredes e espaços públicos.