Fórum propõe projeto integralizador a ser executado pela Unemat, IFMT e UFMT

Deivid Fontes



O 3º Encontro do Fórum Permanente das Instituições Públicas de Ensino Superior de Mato Grosso (Ipes) encerrou as atividades na tarde desta quinta-feira (26). Ao final do evento foi aprovada a Carta Aberta do 3º Fórum Permanente, na qual os reitores fazem um alerta à sociedade e aos futuros dirigentes do estado e reivindicam apoio nas ações integradas das Ipes. A carta também consolida o acordo comum proposto pelos grupos de trabalho (GTs) de Ensino, Pesquisa, Extensão e Relações Institucionais e Internacionais.

 

Cerca de 50 professores e técnicos da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) e da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) elaboraram um projeto para ser executado entre as três instituições ainda em 2018.

 

O GT de Pesquisa, liderado pelo pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação da Unemat, professor Rodrigo Zanin, trouxe como meta prioritária o desenvolvimento de uma plataforma para integrar as informações de grupos e projetos de pesquisa, a criação de uma política conjunta de divulgação científica e a qualificação de servidores com a ampliação de propostas de Pós-graduação em rede.

 

De acordo com o GT, o cumprimento da meta permitirá o diagnóstico da pesquisa no Estado, por meio de um banco de expertises que contribuirá com soluções científicas em âmbito estadual, a melhoria no fomento e da visibilidade das ações das Instituições de Ensino Superior (IES) e a otimização da captação de recursos para qualificação da comunidade acadêmica.

 

O GT de Ensino, preocupado com o número de estudantes desligados muito próximo da conclusão do curso e com a necessidade da flexibilidade curricular dentro das IES, propôs a criação do Programa de Mobilidade Acadêmica das Instituições Públicas de Ensino Superior (Mobipes-MT). Apresentado pela pró-reitora de Ensino de Graduação da Unemat e líder do GT, professora Vera Maquêa, o Mobipes facilitaria a flexibilidade institucional, a convergência de solidariedade entre as IES e o atendimento às demandas de responsabilidade social a partir da observação das normatizações acadêmicas, de edital unificado, articulação dos cursos e da disponibilidade de um portal das Ipes.

 

Em prol da redução da desigualdade social, valorização humana e diminuição da violência, o GT de Extensão, liderado pelo pró-reitor de Extensão do IFMT, professor Marcus Taques, implicou o desenvolvimento de ações de extensão nas unidades socioeducativas de Mato Grosso.

 

A criação e implantação do Programa “Mato Grosso Fala Idiomas” foi sugerido pelo GT de Relações Institucionais e Internacionais. O grupo acredita que toda ação no sentido de internacionalização perpasse por servidores e alunos falando outros idiomas. A líder do GT e assessora de Relações Externas e Internacionais da Unemat, professora Áurea Ignácio, explicou que o programa será implantado com curso de português para estrangeiros e cursos de outras línguas para brasileiros, proposta que fortalecerá a política de línguas nas Ipes e permitirá que seus servidores e estudantes estejam mais preparados para a internacionalização, além da difusão da língua e da cultura brasileira.

 

A quarta edição do Fórum será promovida pela Unemat, em 2019, a princípio no município de Cuiabá. A IES sediará pela segunda vez o Fórum, que também deve contar com a presença da nova Instituição Pública de Ensino Superior de Mato Grosso, a Universidade Federal de Rondonópolis (UFR). A Unemat é uma das fundadoras do Fórum, proposto pela reitora Ana Di Renzo no ano de 2015.

 

Carta Aberta do 3º Fórum Permanente – Em trechos da Carta se lê:

 

“Neste que é um ano eleitoral, o Fórum tem o dever perante a sociedade mato-grossense de alertar os futuros governantes e parlamentares do estado e do país, que a redução do orçamento compromete a produção do conhecimento acadêmico e a educação pública em Mato Grosso”.

 

“É crucial que novos governantes e parlamentares se comprometam com a educação pública superior que tanto tem contribuído com o desenvolvimento social e econômico deste estado”, cita a Carta Aberta.