Fani Pacheco perde 30 kg e reflete: ‘Autoestima não tem nada a ver com peso’

Fani Pacheco perde 30 kg e reflete: 'Autoestima não tem nada a ver com peso'
Reprodução/Instagram

Fani Pacheco está com 30 kg a menos e com menos propostas de trabalhos. Segundo ela, o fenômeno não tem relação apenas com a mudança em suas curvas. “Senti uma queda nos trabalhos como modelo porque estava fazendo muito trabalho para o mercado plus, mas também, do terceiro período em diante, a faculdade começou a ficar mais integral ainda. Agora no quarto período, a gente já está no internato. Temos aula e prática em três hospitais. A gente já tem contato direto com pacientes e é muito mais puxado. De qualquer forma, eu realmente tenho que me dedicar a faculdade. Quase nem penso mais em trabalho. Só quando sobra tempo ou nas férias. Meu foco é a faculdade”, contou em entrevista à Quem.

A ex-BBB relembrou seu período plus size. “Você pode ser sensual dentro daquilo ali também. Como fui um símbolo sexual magra, quis fazer ensaio sensual quando plus size para mostrar que todas as mulheres poderiam ser sensuais. Isso me trouxe uma liberdade e descobri naquele momento que eu representava muitas mulheres. Pude mostrar que o amor próprio e a autoestima não têm nada a ver com peso. Cresci muito por viver um universo que era diferente do meu”, destacou.

Aos 37 anos e com 15% de gordura corporal, a loira conta que perdeu peso por questões de saúde. “Recebo algumas críticas na rede social. Coisas do tipo: ‘Não era feliz gorda?’. Algumas pessoas que não acompanharam minha história ficam debatendo lá o fato de eu ter emagrecido e desconsideram que eu fiquei pré-diabética e resolvi emagrecer por conta disso. Tem gente que fala que fiz bariátrica, plásticas e uma monte de besteiras. Eu rio dessas pessoas que optam por despejar suas frustrações em mim. Isso não me incomoda. Só me mostra que as pessoas estão doente”, explicou.

Mais cedo, a ex-BBB compartilhou no Instagram fotos e um trecho da entrevista sobre autoestima. “A autoestima não é inabalável. Depende da fase da vida. É impossível todos os dias estar 100% plena. O que é inabalável é a não desistência de continuar o meu processo de autoconhecimento. É esse conhecimento que me ajuda no processo de manter minha autoestima bem. Essa moda de amor próprio custe o que custar não existe. É só aparência porque está todo mundo maquiado, arrumado e bonito. Não é todo dia que a gente está com vontade de estar assim. Esse amor próprio 100% tem que estar muito fundamento no autoconhecimento para não se tornar uma arma contra você mesma e para não se tornar uma frase fake ou apenas uma imagem. Se não é bem trabalhado pode desencadear doenças como transtornos alimentares e depressão”, postou na legenda.