Covid-19 e Marketing de Influência: o que mudou?

A pandemia do novo coronavírus trouxe muitas mudanças para uma série de áreas e pessoas. Desde a necessidade de adoção de máscaras e o isolamento social até o projeto de ação de marketing de influência.

Pois é! Talvez você não tenha percebido, mas o funcionamento do Marketing de Influência pré-Covid-19 não existe mais hoje. Bom, pelo menos não em grandes quantidades, claro.
Se você quer entrar no setor ou trabalhar com isso de outra forma, precisa entender como a Covid-19 mudou o Marketing de Influência no mundo inteiro. Quer aprender mais? Então siga a leitura abaixo!

Como a pandemia mudou o Marketing de influência?




É inegável que a pandemia do novo coronavírus mudou o mercado como um todo. Basta ver as previsões de queda no PIB mundial por causa do impacto de consumo e produção.
No entanto, não foi somente o fato de que as pessoas pararam de sair de casa para consumir que mudou o mercado mundial. Na verdade, essa foi apenas uma expressão física dessa crise toda. Existe muito mais nisso.

A pandemia do novo coronavírus mudou a maneira como vemos o mundo e isso tem um impacto profundo na psique das pessoas. Portanto, como a base do Marketing de Influência era justamente trabalhar com esse lado do público, ele mudou também.

Antigamente, a relação do Marketing de Influência (quando resumido ao máximo) era algo entre cobiça (no bom sentido) e objetivos. O influenciador era, de certa forma, uma meta de vida para o público ou, no mínimo, para um lado da sua vida.

Com o tempo, ele poderia indicar produtos, serviços e marcas que comunicavam ao público que era necessário consumir essas indicações para se aproximar daquela meta.

No entanto, a pandemia colocou a Humanidade numa espécie de estado suspenso coletivo. Metas e objetivos são conceitos que ficaram em segundo plano uma vez que a própria vida parece em suspensão.

Isso mudou a relação básica do público com o influenciador. Em vez de cobiçar ou desejar algo, o público agora vive focado em dois sentimentos distintos: a sensação de estar sozinho em um cenário hostil e o dispersar da ansiedade nessa situação. Influenciadores que souberam interpretar isso criaram uma onda de movimento positivo para seus canais.
O case de sucesso de Rui Duarte Catana

Um exemplo de quem soube dominar bem essa mudança de postura do público foi o modelo português Rui Duarte Catana (@ruiduartecatana). O influenciador transformou o seu perfil em um ponto de encontro do mundo fitness e educacional, com foco primariamente na saúde.

Com essa estratégia, Rui pôde oferecer aos seguidores os elementos necessários para uma conexão saudável nessa pandemia. Além das pessoas receberem valor real com as dicas de saúde, exercício físico e motivação, a prática de exercício físico motivada na pandemia ajudou o público a lidar com a ansiedade no isolamento social.

Dessa forma, ele criou uma conexão profunda com os seus seguidores, uma vez que o seu perfil tornou-se um centro de reunião para dicas de motivação, exercícios físicos e saúde em geral. Para os seguidores, os ganhos se refletiram também na qualidade de vida, pois a prática de exercícios e a busca por uma vida mais saudável são essenciais para poder lidar com o isolamento social e a quarentena.

As empresas que firmaram ações com Rui Duarte Catana durante o período (foram muitas), saíram satisfeitas por trabalhar com o influenciador número 1 na área de Educação e Top 10 em Fitness em Portugal.

Outros cases relevantes

De Portugal vem também outro grande exemplo de Marketing de Influência na pandemia do novo coronavírus. Além de Rui Duarte Catana, quem se destacou no país no período foi o comediante e ator Bruno Nogueira.

Durante os meses de abril e maio, Nogueira criou um talk-show via lives em seu perfil no Instagram, chamado Como é que o Bicho Mexe?. No programa, ele conversava com diversas personalidades portuguesas, chegando a receber até mesmo Cristiano Ronaldo, um dos maiores jogadores de futebol do planeta.

A aventura entregou para as pessoas um bom entretenimento durante a pandemia, é verdade, mas também um sentimento de conexão durante esse período de isolamento. Não foi à toa que o último episódio do programa teve 170 mil visualizações ao vivo, em simultâneo, sendo a 3ª maior live registrada no Instagram.

Como deu para ver, a pandemia do novo coronavírus transformou o marketing como um todo, especialmente o de influência. Grandes profissionais da área, como os portugueses Bruno Nogueira ou Rui Duarte Catana, ditaram o caminho que ajuda a entender o que o público busca atualmente: conexão e valor real.

Gostou do conteúdo? Então comente abaixo com a sua opinião sobre o assunto!