Congresso Brasileiro de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária apresenta crescimento do SIPA no país

congresso brasileiro de sistemas integrados de produção agropecuária apresenta crescimento do sipa no país

Todos os detalhes, com dados atualizados, do aumento da produtividade dos Sistemas Integrados de Produção Agropecuária (SIPA) nas diferentes regiões do Brasil serão apresentados pelos melhores especialista e pesquisadores do país, durante o II Congresso Brasileiro de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária e II Encontro de Integração Lavoura-Pecuária do Sul de Mato Grosso. O evento acontecerá de 4 a 8 de junho, no Caiçara Tênis Clube, em Rondonópolis (MT).

De acordo com o professor e pesquisador da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Edicarlos Damacena de Souza, em 2005 o sistema no país era feito em 1,5 mi de hectares, passando para 11,5 milhões de hectares em 2015, uma evolução considerável em 10 anos. “Diante dessa evolução, também cresceu o número de pesquisas no sistema, principalmente em áreas de cerrado”, disse.

Líder nacional na produção de grãos, Mato Grosso é um dos estados brasileiros que também se destacou no crescimento do sistema e, atualmente, é o segundo maior produtor no país, com aproximadamente 1,7 mi de hectares cultivadas. Ficando atrás apenas do Mato Grosso do Sul, que possui dois milhões de hectares. Vale ressaltar, que Mato Grosso é líder nacional com foco no sistema que integram a lavoura e a pecuária anualmente.



O congresso tem o objetivo de difundir e multiplicar os conhecimentos dos SIPA, em nível local, regional e nacional, por meio da diminuição de processos erosivos, a recuperação de áreas degradadas e o aumento da rentabilidade e da sustentabilidade dos sistemas produtivos. Na ocasião, também será criada a Sociedade Brasileira de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária. A sociedade busca unir institutos de pesquisas, produtores, instituições de ensino e técnicos.

Segundo o diretor de marketing da Scot Consultoria, Marco Túlio Habib Silva, as ‘Embrapas´, universidades e centros de pesquisas tem trabalhado muito forte essa questão, validando essas tecnologias e os resultados que elas podem trazer para o produtor e agronegócio em geral. “Sem dúvidas nenhuma é a tecnologia que tem revolucionado o resultado de muitas propriedades. A diversificação de culturas é a oportunidade de ter não somente uma safra e nem somente pecuária, mas sim de se conseguir ter as duas coisas concomitantemente. Isso favorece muito a lucratividade do pecuarista. Essa é uma tecnologia antiga, pois na verdade ela já foi explorada há alguns anos atrás e que voltou com muita força, assim como há oito anos atrás ela tem sida muito debatida nos principais fóruns do Brasil e do mundo"

A iniciativa está sendo organizada pelo Grupo de Pesquisa e Inovação em Sistemas Puros e Integrados de Produção Agropecuária (GPISI), vinculado ao Instituto de Ciências Agrárias e Tecnológicas (ICAT) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus de Rondonópolis. As inscrições estão abertas e podem ser feitas até o dia 15 de maio pelo sitewww.ilpbrasil.com.br. Após esta data as inscrições estarão suspensas por meio do sistema online e só poderão ser efetuadas no local do evento, mediante a disponibilidade de vagas.

O evento conta com o apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), Associação dos Engenheiros Agrônomos da Grande Rondonópolis (Aeagro), Federação da Agricultura do Mato Grosso (FAMATO), Programa de Pós-Graduação em Gestão e Tecnologia Ambiental (PPG-GTA), Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT), Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat), Agro Amazônia, Santa Rita Sementes, Barenbrug e cooperativa de crédito Sicredi.