CDL projeta Dia dos Pais como grande aliado para a recuperação do comércio de Rondonópolis

Tendência nacional aponta para 58% dos brasileiros indo às comprar e pode ser termômetro para a confiança, mesmo em tempos de pandemia

Em tempos de crise econômica e pandemia, é nas datas comemorativas que setores como o do comércio encontram alento e fôlego rumo a sua recuperação. Está e a aposta da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Rondonópolis (CDL) para o Dia dos Pais deste ano. Seguindo a tendência nacional, os números em nível local deverão confirmar a celebração do segundo domingo de agosto como fundamental na retomada das finanças.

Para o presidente da CDL de Rondonópolis, o desafio do comércio rondonopolitano é saber aproveitar os dias que antecedem o Dia dos Pais com estratégia e otimismo. “Este é um momento de recuperação. Uma recuperação vagarosa, mas que encontra e datas como essa um fator que impulsiona. O comércio tem que aproveitar, usar das ferramentas que tem para consolidar bons negócios. Os clientes estão nas ruas, querem presentear. Cabe ao empresário oportunizar as condições na hora de fechar a venda”, diz.

Excepcionalmente neste sábado, por autorização do Poder Público Municipal, o comércio de Rondonópolis, mesmo o não essencial, está liberado até as 20h.  “Ficamos muito felizes com essa decisão acertada do prefeito e do Comitê de Gestão de Crises. Sábado e véspera do Dia dos Pais… é fato que as pessoas irão às compras. Por isso, os lojistas tem que trabalhar com otimismo”, completa Sperança. “Cabe sempre lembra a todos sobre o cumprimento das medidas de segurança e saúde, evitar aglomerações, fiscalizar a utilização de máscaras e disponibilizar [álcool em gel para assepsia. Isso também, claro, é fundamental”, diz.

Nacional

Embora os efeitos da crise causada pela Covid-19 ainda estejam impactando negativamente na renda da população e no cenário de desemprego elevado, 58% dos brasileiros pretendem presentear no Dia dos Pais este ano, o que significa que 91,2 milhões de consumidores devem ir às compras. É o que aponta pesquisa realizada pela CNDL (Confederação Nacional de dirigentes Lojistas) em parceria com a Offer Wise.

Apesar de representar uma queda de 9 p.p. nas intensões de compra em comparação ao ano passado, a data deve movimentar R$ 17,9 bilhões na economia. O presidente da CNDL, José César da Costa, destaca a importância da data para o setor varejista, que ainda sofre as consequências do fechamento das lojas como medida de enfrentamento à disseminação da Covid-19.

“Empresas de diversos segmentos considerados não essenciais se viram obrigadas a baixar suas portas em todo o país, impactando não apenas o faturamento das empresas, como ainda o emprego e o nível de renda. O momento é o de reabertura do comércio em diversas cidades do país, e saber que boa parte da população pretende ir às compras traz alívio ao setor e ao processo de retomada econômica”, afirma Costa.

Apesar da boa notícia para o setor, a pesquisa mostra que o consumidor brasileiro está cauteloso na hora de ir às compras. A maioria dos entrevistados garante que espera gastar o mesmo valor que o último ano com os presentes (37%), enquanto o percentual daqueles que esperam gastar mais passou de 26% na pesquisa de 2019 para 18% na pesquisa deste ano, uma queda de 8 pontos percentuais.

Por outro lado, a fatia dos que pretendem gastar menos saltou de 21% para 34%. Os motivos mais citados para a redução dos gastos são o fato de querer economizar (45%), estar com o orçamento apertado (39%), as incertezas com relação ao cenário econômico (34%) e ter tido redução na renda (30%).

Internet será principal local de compra

O fechamento de boa parte do comércio em todo o país, somado à insegurança de grande parte da população em retornar às lojas físicas levaram a um aumento das compras pela internet e também no número de empresas que abriram canais on line de venda e atendimento ao consumidor.

De acordo com a pesquisa, 39% dos consumidores realizará suas compras pela internet, enquanto 24% afirmam que farão em shopping centers e 16% em lojas de departamento. Entre os que pretendem realizar compras pela internet, 79% farão via sites, 58% em aplicativos e 19% no Instagram. 79% pretendem pesquisar preços antes de fazer as compras, seja pela internet (78%) ou em lojas físicas (65%).

Os presentes mais procurados por quem vai presentear serão as roupas (48%), os perfumes/cosméticos (33%), calçados (28%) e os acessórios (26%). A maior parte dos entrevistados afirma que pretende fazer as compras na primeira semana de agosto (52%). Por outro lado, 24% pretendiam ir às compras ainda no mês de julho e 8% deixarão para a última hora e comprarão o presente no fim de semana do Dia dos Pais. Em média, os consumidores pretendem gastar R$ 196 ao todo. 79% pretendem pagar o presente à vista, principalmente no dinheiro (46%) e no cartão de débito (28%).

Quando perguntados sobre quais são os fatores que mais influenciam na escolha do local de compra dos presentes, a maior parte dos consumidores (47%) menciona o preço como fator determinante, seguido das promoções e descontos (37%), da qualidade dos produtos oferecidos (35%) e do frete grátis (28%).

Metodologia

Público alvo: Consumidores das 27 capitais brasileiras, homens e mulheres, com idade igual ou maior a 18 anos, de todas as classes econômicas (excluindo analfabetos) e que pretendem realizar compras para o Dia dos Pais deste ano.

Método de coleta: pesquisa realizada pela web e pós-ponderada por sexo, idade, estado, renda e escolaridade.

Tamanho amostral da Pesquisa: 1.006 casos em um primeiro levantamento para identificar o percentual de pessoas com intenção de comprar presentes para o Dia dos Pais. Em seguida, continuaram a responder o questionário 610 casos, somente com os que tinham a intenção de compra. Resultando, respectivamente, em margem de erro no geral de 3,1 p. p. e 4,0 p. p. para um intervalo de confiança a 95%.

Período da coleta dos dados: 09 a 15 de Julho de 2020.