BR-163 é prioridade para o Governo, garante ministro dos Transportes

br-163 é prioridade para o governo, garante ministro dos transportes

Na pauta da reunião desta quarta-feira (04), com o ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues: os gargalos da BR 163. O tema foi levado pelo senador Blairo Maggi e executivos da Bunge, Cargill e Amaggi. O grupo também esteve reunido ontem (03) com a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, que garantiu apoio às demandas apresentadas.

“Tenho acompanhado essa questão desde que fui para Mato Grosso, e essa estrada é um desejo e uma necessidade muito antiga. Depois de muito esforço, conseguimos as licenças, e pudemos colocar as obras para andar. As empresas aqui presentes têm capacidade para transportar 4 milhões de toneladas, mas a estrada não está pronta. Isso tem tirado a competitividade dos agricultores e colocado as empresas em situações de assumirem riscos que não são delas. E tudo isso tem trazido muita falta de tranquilidade para o setor”, explicou o senador Blairo Maggi.

A deficitária infraestrutura da BR-163, que ainda tem trechos em obras e outros em estrada de chão, onera o custo da produção. Um exemplo é o preço do frete, que sofre aumentos constantes. Para manter o preço competitivo, o produtor precisa contar com subsídios do Governo. Esse gasto chega a cifra de R$ 400 a 600 milhões de reais anuais ao Estado, de acordo com o presidente da Aprosoja MT, Ricardo Tomczyk.

O diretor de Infraestrutura Rodoviária do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Luiz Guilherme Melo, elencou os principais gargalos da rodovia. Segundo ele, ainda faltam a pavimentação de dois trechos, a manutenção de outros já construídos, algumas iniciativas que garantam a trafegabilidade na BR, mais a construção de sete pontes. Duas delas na BR-230, no Pará. Mas os recursos estão garantidos, assegurou.

Chefe da pasta, o ministro Rodrigues disse que a rodovia é uma das prioridades do Governo Federal e tranquilizou o grupo quanto à disponibilidade de recursos para este ano. “Temos essa obra como prioridade e há previsibilidade de recursos para 2015”, comunicou.

A divisa de Mato Grosso com o Pará, até a cidade de Santarém, tem extensão total de 1.012 km. Desses, 752 km são pavimentados, e 260 km aguardam pavimentação. De Mato Grosso à Miritituba, ainda falta a pavimentação de 136 km, do total de 706 km de extensão. Outro trecho aonde ainda se trafega em estrada de chão fica entre Miritituba e Santarém. Do total de 306 km, 124 km ainda não têm asfalto.