Após 4 quedas, dólar sobe e supera os R$ 3

crise econômica pode trazer oportunidades de investimento, avalia especialista

O dólar amplia a alta nesta segunda-feira (11), após ter caído nas últimas quatro sessões e fechado abaixo de R$ 3 na sexta-feira. O mercado reage a uma piora no cenário econômico, com projeções mais pessimistas para a inflação e o PIB.

Por volta das 16h, a moeda norte-americana tinha alta de 2,26% frente ao real, a R$ 3,0510 na venda. Nos quatro pregões anteriores, acumulou queda de 3,16%.

As previsões do mercado para a inflação e para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano voltaram a piorar, segundo o relatório do BC divulgado nesta segunda. A expectativa é de que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique em 8,29% neste ano, e de uma retração de 1,20% no PIB.

No fim de semana, a China cortou sua taxa de juros pela terceira vez em seis meses para estimular sua economia, que deve ter seu pior ano em 25 anos. "Embora amplamente antecipada pelos mercados, a decisão é importante para as commodities e emergentes", escreveu o operador da Correparti Ricardo Gomes da Silva em nota.

"O contraponto no mercado cambial vem da Grécia, que tem hoje importante reunião com os credores europeus", afirmou sobre as preocupações com a crise grega. O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, reconheceu que não é provável que a reunião de ministros da zona do euro resulte em um acordo para aliviar o aperto de liquidez da Grécia.

Nesta manhã, o Banco Central deu continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em junho, com oferta de até 8,1 mil contratos.

Na última sessão, o dólar fechou em baixa de 1,45% frente ao real, a R$ 2,9835, após subir na máxima da sessão a R$ 3,0445 e, na mínima, cair a R$ 2,9758.