Brasileiro é eleito presidente do Codex Alimentarius

brasileiro é eleito presidente do codex alimentarius

Com 56% de votos a favor e concorrendo com o candidato do Mali, o brasileiro Guilherme Costa, servidor do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), foi eleito o novo presidente do Codex Alimentarius. A entidade vinculada à ONU, à FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) e à OMS (Organização Mundial de Saúde) trata de padrões, diretrizes e recomendações para a segurança, qualidade e comércio leal de alimentos de 188 países membros.

O ministro Blairo Maggi e o secretário-executivo Eumar Novacki buscaram apoio à candidatura do brasileiro em recentes missões internacionais. Para o secretário-executivo do Mapa, que esteve na semana passada em Genebra, Suíça, sede da entidade, a presidência do Codex "é uma grande oportunidade para que o Brasil exerça seu papel de forma equilibrada, em sinergia com os países membros”. Novacki disse ainda que se trata de “um ganho do país e essa presidência é muito bem-vinda”.

Entre os compromissos assumidos por Costa estão a liderança justa e transparente, a fim de conectar as diferentes realidades, unir os países membros erespeitar a diversidade, melhorando, assim, a capacidade de participação.A plataforma do brasileiro também prevêo aproveitamento do potencial das mentes científicas, o aumenta daconsciência dos consumidores e a ajuda paratransformar o mundo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

A candidatura do brasileiro contou com apoio intensivo de embaixadores brasileiros, por meio de representaçõesna ONU ena OMC. Foi importante o apoio do Codex Alimentarius do Brasil, que congrega instituições, como os ministérios da Indústria e do Comércio, Tecnologia, Saúde, Justiça eRelações Exteriores, o Inmetro e a Anvisa.

Guilherme Costa, que atualmente ocupava uma vice-presidência do Codex, é médico veterinário e servidor do Mapa desde 1981, lotado na Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Trabalhou em procedimentos de inspeção e na elaboração de regulamentos para a carne, laticínios e pescado. Como ex-diretor de Negociações Sanitárias e Fitossanitárias, foi responsável por negociações bilaterais e multilaterais em matéria de inocuidade alimentar.

Entre suas funções como adido agrícolado Brasil na OMC, Costa participou de negociações de temas relacionados com os Comitês de Agricultura, SPS (medidas sanitárias e fitossanitárias) e TBT (Obstáculos Técnicos ao Comércio). Por 15 anos, Costa atuou em diversas ocasiões como consultor de projetos da FAO e da OMS relacionados ao controle mundial de alimentos.