Wellington propõe emendas ao Orçamento da Marinha para atender ribeirinhos do Pantanal

Senador diz que os ribeirinhos foram os mais afetados com os incêndios florestais que devastaram 4 milhões de hectares do bioma

Foto: Pedro França/Agência Senado

O Orçamento da Marinha do Brasil deverá ganhar reforço para que a corporação possa avançar no atendimento médico e ambulatorial da população ribeirinha que habita o Pantanal de Mato Grosso. A proposta foi apresentada à Comissão Mista de Orçamento pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT), líder do Bloco Parlamentar Vanguarda. Em duas emendas, deverão ser incorporados ao orçamento anual das operações navais R$ 810 mil.

Ao defender a aprovação da emenda, Wellington Fagundes citou o período crítico que vive o bioma. Um dos maiores problemas atuais é a ‘decoada’, fenômeno natural de deterioração da qualidade da água dos rios e lagoas marginais do Pantanal. No ano passado, em função de forte estiagem, incêndios florestais devastaram 4 milhões de hectares de vegetação.

“Hoje, em grande parte do bioma, a água se tornou escura, com muita matéria orgânica e falta total de oxigênio dissolvido. Isso tem causado a mortandade de peixes, fato que, seguramente, essa situação vai afetar ainda mais a vida dos ribeirinhos, já sacrificados com os incêndios” – salientou.




Wellington ressaltou que os ribeirinhos são a parte da população originária do Pantanal que mais sofreu com os incêndios florestais. Na ocasião, houve muitas perdas materiais. “Precisamos avançar para aquelas áreas mais isoladas, onde as dificuldades são ainda maiores” – disse o senador.

Presidente da Comissão Temporária Externa do Senado, criada para acompanhar as medidas de enfrentamento aos incêndios florestais no Pantanal no ano passado, Wellington tem manifestado preocupação constante com o futuro do bioma. Sobretudo diante das previsões sobre a continuidade da estiagem mais prolongada por pelo menos mais 4 anos, com redução do regime de chuvas.

Além de R$ 310 mil para atender aos ribeirinhos dos municípios de Barão de Melgaço, Cáceres, Itiquira, Poconé, Cuiabá e Santo Antônio do Leverger, Fagundes proporá à CMO aplicação de R$ 500 mil para aquisição de equipamentos de lançamento de água para combate a incêndios por helicópteros. Eles deverão ficar baseados no Centro de Intendência da Marinha em Ladário (MS).

Combate aos Incêndios

Além dos recursos de emenda individual para atender o bioma, Fagundes foi autor da proposta aprovada pela Comissão de Meio Ambiente do Senado para que seja incluído no Orçamento Geral da União para 2021 um reforço de R$ 600 milhões para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), órgão do Ministério do Meio Ambiente.

Os recursos deverão ser utilizados na prevenção e controle de desmatamento e no combate aos incêndios nos biomas nacionais e gestão do uso sustentável da biodiversidade e recuperação ambiental – especialmente no Pantanal Mato-grossense.

Ele também encaminhou aproximadamente R$ 15 milhões em emendas para equipamentos de perfuração de poços artesianos e a construção de duas unidades de resgate de animais dentro do pantanal. Em Mimoso, município de Santo Antônio do Leverger, deverá ser implantado também, dentro do Complexo Marechal Rondon, o Centro de Pesquisas do Pantanal.