‘Vocês não vão se livrar de mim’, diz Maduro a adversários

retórica de trump é xenofóbica, e não populista, afirma obama



O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reiterou na quinta-feira (10) que seus adversários vão fracassar em uma nova tentativa de retirá-lo do poder neste ano e terminar com os 17 anos de regime socialista no país.

Após ganhar controle da Assembleia Nacional em eleição no fim de 2015, a aliança da oposição iniciou uma campanha para remover Maduro usando manifestações nas ruas, um referendo e uma emenda constitucional. A primeira manifestação está planejada para sábado (12) em Caracas.

O Parlamento venezuelano também aprovou, em primeira instância, referendo para revogar o mandato de Maduro.

Falando à TV estatal, o presidente de 53 anos disse que seus inimigos estão divididos e são corruptos, e insistiu que é a pessoa certa para tirar a Venezuela da atual crise econômica.

"Estamos aqui para trabalhar sem distrações nos grandes objetivos da recuperação econômica", disse durante encontro com empresários e autoridades sêniores do governo. "E de lá, não vão se livrar de mim, e nem deveria se livrar de ninguém".

Críticos culpam Madulo para profunda recessão venezuela, inflação de três dígitos e escassez de bens básicos, dizendo que ele manteve teimosamente políticas econômicas estadistas de seu predecessor, Hugo Chávez, quando reformas eram necessárias.

Referendo revogatório

O Parlamento venezuelano deu na quinta mais um passo rumo ao objetivo de antecipar o fim do mandato do presidente Nicolás Maduro, ao aprovar em primeira instância uma lei que regerá o referendo revogatório, informou o Legislativo.

"A aprovação desta lei de referendo é a porta de entrada para a consolidação da mudança política na Venezuela", afirmou Enrique Márquez, primeiro vice-presidente da Assembleia Nacional, controlada pela coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).