Visão holística permeia ações da Semed para dar sustentação a práticas pedagógicas

Assessoria

Um olhar global sobre a Rede Municipal de Educação foi a expressão usada pela secretária de Educação, Carmem Monteiro, para definir os cuidados que a atual gestão tem em relação à rede pública de ensino. Essa conexão entre as vários mecanismos que sustentam a educação, mesmo aqueles que, aparentemente, não têm ligação direta com o aprendizado, como a estrutura física disponível aos alunos e aos próprios docentes para que possam aplicar suas habilidades em sala de aula, faz toda a diferença no resultado alcançado pelo estudante, de acordo com a secretária.

Com 68 escolas e 24 salas anexas, totalizando 24 mil vagas ofertadas atualmente, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) comemora a ampliação da rede em Rondonópolis. Em janeiro de 2019, eram 21 mil matrículas disponíveis.

“Essas 24 salas anexas equivalem a mais quatro escolas com seis salas de aula”, explica a titular da Educação. Além das unidades escolares existentes, a gestora ainda lembra: “Hoje, temos 20 unidades em construção, sendo 16 creches e quatro escolas. Dessas, as creches dos Jardins Padre Rodolfo, Dom Bosco e das Hortências devem ser entregues em maio, conforme nossa previsão”.

Estrutura

Mas os investimentos na Educação em 2019 não pararam por aí, como ressalta a secretária: “Adquirimos material didático, brinquedos pedagógicos e parquinhos, sempre primando pela qualidade da mercadoria. Todas as unidades foram contempladas”.

Também a merenda recebeu um incremento. “A alimentação escolar que, no final de 2019, foi para R$0,27, vai subir, no primeiro semestre deste ano para R$0,30 e, no segundo semestre, para R$0,33 de contrapartida do município, alcançando o valor de repasse estabelecido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação”, anuncia a gestora.

Pensando de forma transdisciplinar e integrativa, Carmem acentua que a nutrição dos alunos é mais uma peça fundamental dessa engrenagem, já que a ingesta de alimentos adequados fornece a energia a ser gasta pelo organismo com atividades como raciocínio, compreensão e apreensão de conhecimentos, além de brincadeiras e outras tarefas que envolvem o processo educacional. “A alimentação saudável é fundamental para o desenvolvimento da criança, contribuindo para o processo de aprendizagem e assimilação de conteúdos”, pontua.

Outro ganho da Educação no ano que passou foi a frota de automóveis, como Carmem destaca: “Recebemos 14 veículos. Com esses novos carros, agora, os profissionais do Departamento de Ensino e Qualificação podem intensificar as visitas às escolas, dando o suporte para que elas consigam implementar melhor o processo de ensino-aprendizagem”.

Custeio

Além de todas essas medidas, houve o reajuste da verba emergencial que, em 2018, foi de R$10 mil pago em duas parcelas de R$5 mil, para R$14 mil, em 2019, com dois pagamentos de R$7 mil. “Em 2020, o reajuste vai elevar esse valor para R$20 mil, dividido em duas vezes de R$10 mil”, revela a titular da Educação.

Destinada às escolas que possuam diretores, a verba emergencial é um recurso que a Semed repassa a essas unidades para sua manutenção e custeio de serviços ligados à estrutura física e material de consumo. Esse valor lhes permite uma maior autonomia.

“Nós proporcionamos um estofo para que essas unidades escolares possam respirar sem ficar com o pires na mão, recorrendo ao almoxarifado da Semed para todas as necessidades. Afinal, a melhoria do processo educacional passa, sim, pela infraestrutura”, afirma Carmem, lembrando que um ambiente com boa iluminação, ar condicionado garantindo a temperatura adequada, entre outros elementos que proporcionam conforto ao estudante, contribui para o aprendizado.

Aperfeiçoamento profissional

Preocupada em dar o melhor a seus alunos, a Semed promove, periodicamente, cursos de formação para seus docentes. Bem preparados, eles podem otimizar seu desempenho em sala de aula.

Entre as capacitações promovidas pela Pasta, o curso para professores alfabetizadores adotou o mote “Sarau literário – um deleite com Vinícius de Moraes, Pedro Bandeira e Manoel de Barros”, fazendo com os 90 docentes que participaram dos encontros um passeio pelas obras desses expoentes da literatura brasileira e apontando-lhes estratégias para incitar nos alunos o interesse por esses autores paradigmáticos.

Pela primeira vez em Rondonópolis, a Semana da Educação Infantil discutiu as políticas públicas para a primeira infância, que vai dos seis meses aos cinco anos e 11 meses de idade. Certa de que a criança é a protagonista da primeira infância, a Semed abordou, durante esse fórum, temas como o ludicidade, criança e natureza, caminhos para inclusão na educação infantil, matemática adaptada a essa fase e, ainda, psicomotricidade.

Universo especial

Atenta às necessidades das crianças com deficiências, a Semed desenvolveu projetos voltados a esses alunos, sempre acreditando que ao estimular suas capacidades é possível ver o potencial que esses indivíduos têm, além de conduzi-los no aprimoramento de suas competências.

Para facilitar a comunicação com alunos surdos, a Semed promoveu o ensino da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) para professores e familiares desses estudantes. Com esse conhecimento, os participantes das aulas podem, além de ter uma melhor compreensão do que a criança surda expressa, servir de intérprete na sua relação com a sociedade quando estiver por perto e ela não for entendida. E os pais ainda se capacitam para dar continuidade, em casa, ao trabalho que é desenvolvido na sala de recursos multifuncionais da escola.

Aproveitando o esporte como ferramenta de inclusão social, de promoção do sentimento de acolhimento e de incentivo às habilidades psicomotoras, a Divisão de Educação Especial da Semed realizou a terceira edição das Paraolimpíadas. Assim, alunos com deficiência tiveram a oportunidade de se divertir e mostrar seu desempenho em modalidades como salto em altura, corrida de cadeira de rodas, lançamento de dardo, nado livre e vôlei sentado, entre outras, para todos os presentes. Proporcionando um momento de união, brincadeira e atividade física entre participantes, suas famílias e amigos, a Secretaria vê o respeito às diferenças como o campeão do torneio.

Experiências didáticas

Todo o aperfeiçoamento profissional do corpo docente da Semed se transformou em práticas educacionais aplicadas aos alunos, algumas, inclusive, envolvendo pais e familiares. No projeto Leitura para além da Escola, os estudantes podem levar livros adquiridos pela Prefeitura para casa onde, criando uma oportunidade de convivência e formação do hábito da leitura, crianças da educação infantil e do ensino fundamental usufruem, com seus pais, de uma atividade que integra os membros da família, compartilhando a leitura da obra e fortalecendo o vínculo entre eles.

A coroação do esforço empreendido pelos educadores da Semed aconteceu com a Coleção Pnaic de Mato Grosso, publicada pelo Ministério da Educação (MEC), com 12 textos dos professores formadores da Pasta que integraram a turma da última edição (2017-2018) do curso de formação do Pacto Nacional de Alfabetização na Idade Certa (Pnaic). Em seus escritos, os docentes descrevem práticas positivas utilizadas com os alunos embasadas nos ensinamentos e técnicas que receberam através da capacitação.

Objetivando divulgar o trabalho promovido pelo Pnaic, além de criar um espaço de reconhecimento e partilha de experiências entre eles, ocorreu, em maio, o lançamento da edição, em Cuiabá. O evento foi prestigiado por diversos professores dos municípios mato-grossenses que tiveram a formação. Entre eles, vale ressaltar, Rondonópolis foi o que publicou a maior quantidade de relatos, segundo a Semed.

Fechando o ano, em novembro, os alunos da Escola Municipal Princesa Isabel, Luiz Felipe Cândido Pires, do 7º ano, e Eloísa Queiroz Mallmann, do 8º, orgulharam Rondonópolis ao chegarem à semifinal da 6ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, da qual participaram estudantes de escolas públicas de todo o Brasil. A etapa aconteceu em São Paulo e, de lá, Luiz Felipe e Eloísa trouxeram para casa as medalhas de prata, conquistada com a obra “Muleque vem prá dentro”, na categoria Memórias Literárias, e de bronze, com a história “Futuro esquecido”, no gênero Crônicas, respectivamente.

Sempre pautada pela soma de forças de diversos ramos de conhecimento, a Semed executa suas atribuições com convicção de que a educação é a base de sustentação que cada indivíduo tem para seguir na vida.

Quando observa as realizações de 2019, Carmem enxerga um resultado que a faz sorrir e conclui: “A Educação deu uma guinada nesta gestão. Hoje, nós podemos andar de cabeça erguida, porque temos uma rede física com uma série de unidades escolares que já passaram ou estão passando por reformas. Assim estamos tornando o ambiente mais propício ao processo educacional, oferecendo uma estrutura física que dá ao professor condições de fazer um trabalho de qualidade”.