Vereador quer propor CEI da CRP e afastar Pátio da prefeitura

Lucas Perrone

Lucas Perrone

Vereador quer propor CEI da CRP e afastar Pátio da prefeitura

O vereador subtenente Guinâncio (PSDB) pode propor na sessão desta quarta-feira (3) a criação de uma Comissão Especial de Investigação (CEI) para analisar o bloqueio do Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP) do município que está suspenso desde março, desde ano.

Sem esse documento, o município está impedido de acessar recursos federais. O motivo do bloqueio está relacionado a nove fatores, sendo que o principal é o pagamento de uma diferença de R$1,5 milhão ao Impro.

O município, por outro lado, questiona esses valores e entrou com uma ação na Justiça; na semana passada, houve uma manifestação negando uma liminar ao município. O entendimento foi que era preciso, antes de tomar decisão, ouvir também o Ministério da Previdência.

Guinancio disse ao Primeira Hora que é preciso que o município pague essa diferença e mande à Câmara, uma Lei fazendo as correções. “O problema é que ficar esperando uma decisão da Justiça pode demorar muito tempo e os prejuízos ao município podem ser irreparáveis”, disse o parlamentar.

A informação é que a possível CEI tem quatro das sete assinaturas necessárias. Além de Guinancio, devem assinar o documento a vereadora Kalynka Meirelles, o vereador Paulo Schuh e o vereador Marisvaldo Gonçalves. “Podemos até propor um afastamento do prefeito”, completou Guinancio.

No entanto, para aprovar um afastamento é preciso 14 dos 21 votos da Câmara.

Por outro lado, o vereador Adonias Fernandes e o vereador Batista da Coder já assinalaram que não vão acompanhar o pedido de Guinancio.

REUNIÃO DE EMERGÊNCIA- O presidente da Câmara, Junior Mendonça, pediu ao secretário do Gabinete de Apoio à Segurança Pùblica, Valdemir Casitilho, que marque uma reunião com todos os vereadores para debater o assunto e também os pagamentos de fornecedores que estão em atraso, junto ao prefeito, para buscar uma saída para o problema.

O vereador Beto do Amendoim (PTB) deixou claro que devido à falta de pagamento, muitas obras poderão parar ou até mesmo a empreiteira desistir.

A vereadora Marildes Ferreira (PSB) destacou que a falta de CRP pode gerar prejuízos à saúde e atingir serviços essências que dependem de recursos federais como é o caso do Samu.

+ Acessados

Veja Também