V Fórum das Cooperativas de agronegócio está sendo planejado

A proposta de se construir uma rede de negócios para as cooperativas do ramo agro ligadas ao Sistema OCB/MT continua na ordem do dia do cooperativismo mato-grossense. O objetivo de desenvolver um trabalho em rede do Sistema OCB/MT é de identificar possibilidades das cooperativas operarem entre si, aumentar o nível de cooperação entre cooperativas e assim formarem redes de negócio, visando melhorar sua eficiência e a renda do cooperado.

O processo de construção da rede de negócio começou em 2011 quando foi feito o diagnostico para entender a situação das cooperativas naquele momento. A partir desse diagnóstico foi criado o Fórum de Dirigentes Cooperativistas do Agronegócio realizado 2 vezes ao ano desde 2002. Nesse período de quatro anos, treinamentos e visita a outros países, como os Estados Unidos e Canadá foram realizados, visando melhorar a gestão e a governança das cooperativas, como base importante na construção da rede.

Ficou definido que em 2015 serão realizados dois fóruns com o propósito de se formatar a rede de negócios. O V Fórum de Dirigentes Cooperativistas do Agronegócio será realizado nos dias 15 e 16 de maio, em Cuiabá, onde será discutido o acompanhamento do andamento da Rede e outros assuntos pertinentes. O VI Fórum acontecerá em novembro, onde tema e local serão definidos em maio.

“A tarefa de formatar a rede para trabalhar pontos comuns das cooperativas como as questões de controle interno e contabilidade, por exemplo, é árdua de cheia de grandes desafios, mas sem a tomada de decisão que alinha procedimentos de gestão e governança em todos os aspectos, não é possível construir uma rede de negócios”, ponderou o superintendente do Sistema OCB/MT, Adair Mazzotti.

O professor pesquisador na Universidade de Missori – Culumbia – EUA, Fábio Ribas Chaddad, que acompanha todo processo de criação da rede e organização do ramo do agronegócio das cooperativas de Mato Grosso, disse que o cooperativismo no Brasil, em relação ao mundo “existe uma distância enorme”. Ele pondera que “não desmerecendo o trabalho das cooperativas brasileiras, pois temos excelentes cooperativas no Brasil, no geral são fortes no mercado estadual, mas são poucas que têm uma relevância no mercado internacional e hoje os negócios tem uma conotação global, e, além disso, competem com cooperativas internacionais que estão entrando no Brasil. Temos muito que caminhar”.

Chaddad é enfático em afirmar que o cooperativismo tem cicatrizes que impedem o crescimento e sua credibilidade, “que provocam medo de muitos e não querem nem ouvi falar em cooperativa”. Ele ressalta que “temos que dar apoio institucional às cooperativas, com treinamento por parte do Sistema OCB/MT, ajudar a melhorar sua gestão e governança para evitar que outros problemas aconteçam e acredito que as cooperativas do agronegócio vão dar muitos frutos, pois tem cooperativas competitivas, que podem ser mais relevantes no contexto internacional. Não basta ser grande em Mato Grosso, tem que ser grande no Brasil, tem que ser grande em escala global, senão não poderemos competir com as grandes”.

O Sistema OCB/MT, através de um diagnóstico feito junto as 30 maiores cooperativas do agronegócio atuantes em Mato Grosso, constatou que juntas, essas cooperativas produzem em 2,4 milhões de hectares, têm um faturamento direto de R$ 4,48 bilhões e ativo total de R$ 1,68 bilhão em 2013, possuem 1.546 associados e empregam 1.262 pessoas. Um ambiente forte, com potencial de escala de produção e organizadas podem formar uma competitiva rede de negócios.