União comemora 47 anos e tenta voltar ao protagonismo do futebol de Mato Grosso

Time campeão de 2010, único título estadual do União

O União Esporte Clube comemora hoje (6) 47 anos de história e vive o desafio de voltar a ser protagonista do futebol de Mato Grosso. O Colorado tenta voltar ao passado e ser o que era há dez anos quando foi campeão estadual, batendo o Operário, na final daquele estadual. 

Depois daquela conquista o União, nunca mais foi o mesmo, e passou a perambular entre a terceira e quarta força do futebol de Mato Grosso. 

O “Glorioso” como é chamado pelos mais antigos viu Luverdense e Cuiabá virarem protagonistas de Mato Grosso e o clube mais tradicional do interior de Mato Grosso virou uma espécie de coadjuvante.

Lamartine da Nóbrega, primeiro presidente do União

No entanto, nem sempre foi assim, desde a sua fundação por Lamartine da Nóbrega, no dia seis de junho de 1973, o União sempre foi o grande time do Interior, chegando em finais e botando medo em grandes times daquela época, como o Mixto, Operário de Campo Grande (que cheogou a ser terceiro lugar no Brasileiro de 77), Comercial de Campo Grande, Dom Bosco dentre outros.

Na década 70 foram três títulos do torneio incentivo e um vice-estadual (75) e além de ter montado times com grandes craques como Ruíter, Pelezinho e GIlson Lira, que marcou 199 gols com a camisa do Glorioso.

 gilson lira morre na santa casa de rondonópolis
Gilson Lira, atacante que faleceu em 2017, fez 199 gols com a camisa do União

No anos 80, mais dois vices, em 80 e outro no ano de 84, e revelando para o futebol de Mato Grosso, jogadores que tiveram destaque em outros estados como a dupla de atacantes formada por Zuza e Xaxá. No banco de reservas o União também investiu em grandes técnicos como Milton Buzzetto, conhecido como “Rei da Retranca” no futebol paulista, Genésio do Carmo, Nivaldo Santana, dentre outros. 

Milton Buzzeto, o Rei da Retranca, foi técnico do União nos anos 80

Na década de 90, o União somou mais três vices: 91, 95 e 97. Neste período uma nova safra de jogadores revelados no futsal que o então técnico Carlos Rufino trouxe para os campos como Mangabeira, Marquinhos, Zé Luiz, Newton, dentre outros. 

rufino solta o verbo após empate do união: "não é vergonha nenhuma cair"
Rufino trouxe “feras” do futsal para jogar no campo pelo União

Um dos destaques daquela década era o centroavante Índio. 

A entrada do Agronegócio e o título

Nos anos 2000, a rivalidade com o Vila Aurora e a construção do novo estádio Luthero Lopes deu novo impulso ao Colorado,. foi o auge em números e em conquistas.

A equipe no começo da década investiu em um mix de pratas da casa, como o atacante Diogo Galvão, um dos maiores artilheiros que o clube já teve, o meia Tupãzinho, ídolo da nação corinthiana. 

Diogol é o maior artilheiro do novo Luthero Lopes

O Colorado recebeu um inédito apoio financeiro, a partir de 2003,  e passou a ter uma estrutura de time de ponta do futebol nacional, tendo um dos maiores Centro de Treinamentos do Centro-Oeste, graças ao apoio dos empresários Pedro Jacyr Bongiolo, Orlando Polato, Chico da Paulicéia, Arni Spiering, Joãozinho da Brascor, dentre outros.

O resultado foram três vices e a conquista do estadual do ano de 2010 e grandes nomes do futebol nacional vestindo a camisa do clube como Valdir Papel. Paulo Almeida, Elivelton, Romeu, Alex Alves, para citar alguns exemplos.

No entanto, na década atual, o União perdeu investimentos do agronegócio e amarga um jejum de títulos estaduais, que em 2020 completa 10 anos.

Leia mais sobre o assunto:

Primeira Hora mostra dez curiosidades sobre o União nestes 47 anos de história