União anuncia R$ 1 bilhão para UPAs, remédios e vacina contra meningite

ministério da saúde convoca o cidadão para que no novo ano o combate ao mosquito faça parte da rotina



O governo federal anunciou nesta quarta-feira (14) que vai destinar R$ 1 bilhão para comprar medicamentos, produzir uma vacina contra a meningite e custear Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e santas casas do país. Segundo a União, o dinheiro vem da economia gerada pela redução de cargos comissionados, de gastos com aluguel e revisão de contratos.

O Ministério da Saúde anunciou que 99 UPAs já em funcionamento vão receber repasses de R$ 182 milhões por ano a partir de outubro.

Todas as unidades que funcionavam sem apoio da União, em 91 cidades, vão passar a receber dinheiro federal, afirmou a pasta.

O anúncio da liberação de recursos foi feito nesta manhã pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, acompanhado do presidente, Michel Temer, e do presidente da Confederação das Santas Casas e Hospitais e Entidades Filantrópicas, Edson Rogatti.

Investimentos

Por ano, 216 santas casas e hospitais filantrópicos serão beneficiados com R$ 372 milhões, segundo o anúncio da Saúde. A expectativa é de que o dinheiro seja liberado até dezembro.

A pasta também anunciou R$ 227 milhões para a produção de vacina contra meningite. Segundo o ministro, já foram gastos R$ 222 milhões na compra de medicamentos – 7,4 milhões de unidades.

O governo diz ter esconomizado R$ 12,5 milhões por ano ao excluir 417 cargos de confiança. Os postos foram retirados do Ministério da Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

Ainda segundo o ministério, um revisão em 29 contratos de aluguel vai permitir economizar R$ 52,2 milhões por ano. O gasto com aluguel e serviços gerais caiu 33%, de acordo com a pasta.

O pente-fino em 38 contratos de informática deve garantir uma economia de R$ 80,8 milhões anualmente – a maior parte por meio da “racionalização do número de links inativos”.

Por ano, 216 santas casas e hospitais filantrópicos serão beneficiados com R$ 372 milhões. A expectativa é de que o dinheiro seja liberado até dezembro. A pasta também anunciou que R$ 227 milhões serão destinados à produção da vacina contra a meningite. A previsão de gasto com a compra de 7,4 unidades de medicamentos é de R$ 222 milhões.

Corte de gastos

O governo diz ter criado uma economia de R$ 12,5 milhões por ano ao excluir 417 cargos de confiança. Os postos foram retirados do Ministério da Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

Ainda segundo o ministério, um revisão em 29 contratos de aluguel vai permitir economizar R$ 52,2 milhões por ano. O gasto com aluguel e serviços gerais caiu 33%, de acordo com a pasta. O pente-fino em 38 contratos de informática deve garantir uma economia de R$ 80,8 milhões anualmente — a maior parte disso, por meio da “racionalização do número de links inativos”.

O governo também informou ter economizado 39% na aquisição de medicamentos. Uma das formas foi revisar 33 contratos, que foram negociados de forma a desconsiderar a inflação e oferecer descontos de até 17% na unidade. A economia calculada é de R$ 447,8 milhões. Ao todo, o conjunto de medidas de contingenciamento permitiram “poupar” R$ 1,059 bilhão.

Onde ficam as UPAs beneficiadas

São Paulo – 23
Paraná – 10
Bahia – 9
Maranhão – 8
Minas Gerais – 7
Goiás – 7
Rio Grande do Sul – 6
Tocantins – 4
Pará – 4
Ceará – 3
Mato Grosso do Sul – 3
Alagoas – 2
Paraíba – 2
Rio Grande do Norte – 2
Acre – 1
Amapá – 1
Amazonas – 1
Distrito Federal – 1
Espírito Santo – 1
Rio de Janeiro – 1
Santa Catarina – 1
Pernambuco – 1
Piauí – 1