TV Assembleia inicia transmissão em Libras: Max Russi avalia como grande conquista

TV Assembleia inicia transmissão em Libras: Max Russi avalia como grande conquista

O deputado avalia a contratação dos profissionais como uma medida de inclusão

A sessão ordinária desta quarta-feira (15) foi realizada com uma novidade: de agora em diante, a Assembleia Legislativa passa a ter nas reuniões em Plenário, transmitidas pela TV Assembleia e redes sociais, a tradução simultânea em sinais, feita por três intérpretes da Língua Brasileira De Sinais (Libras).

O presidente do Parlamento, deputado Max Russi (PSB), que inclusive é autor do Projeto de Lei nº 40/2021, em tramitação na Casa de Leis, que regulamenta a profissão de tradutor e intérprete, disse que a contratação dos profissionais é uma grande conquista para o Poder Legislativo, pois se trata de uma medida de inclusão que vai aproximar os mato-grossenses dos serviços legislativos.

“Um ganho para a população, para a TV e para a Casa como um todo. A Assembleia, que defende tanto a inclusão social, não ter um intérprete de Libras era inadmissível. Agora vamos tê-los durante as sessões, audiências públicas e nas ações em geral. Um acompanhamento que, sem sombra de dúvida, consegue levar a informação para todos, no momento em que os eventos estão acontecendo”, considerou.

Dados da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) mostram que Mato Grosso possui 4.391 pessoas que não conseguem ouvir 100% e outras 127 mil com algum nível de deficiência auditiva. “A comunicação por sinais é muito importante. A inclusão é sinônimo de respeito.  Os intérpretes nas sessões vão sinalizar para a população todas as relações e interações que estiverem acontecendo”, complementou Max Russi.

Para possibilitar a novidade, foi necessário que a TV Assembleia fizesse adequações técnicas, como a compra de câmeras de filmagens.

Dia Nacional do Surdo

No 26 de setembro é comemorado o Dia Nacional do Surdo. Mais do que dar visibilidade às pessoas com deficiência auditiva e celebrar as suas conquistas, a data deve também conscientizar e alertar para a falta de acessibilidade que, muitas vezes, ainda afeta essas pessoas. Segundo dados do Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 2,1 milhões de brasileiros são deficientes auditivos, parcial ou totalmente.

Noticias Relacionadas