Suspeito de matar filho de 2 anos foi preso por perseguir ex e já teria agredido os outros 3 filhos

Picture of R7

R7

Rodrigo Júnior foi morto aos 2 anos - Reprodução/Record

Suspeito de matar filho de 2 anos foi preso por perseguir ex e já teria agredido os outros 3 filhos

Mãe da criança assassinada também teria sido atacada pelo companheiro; Conselho Tutelar sabia de maus-tratos

Compartilhe:

O massoterapeuta Rodrigo Pinheiro Queiroz, de 27 anos, suspeito de espancar o filho de 2 anos até a morte, nesta quarta-feira (20), em São Paulo, foi preso em maio por agredir a ex-companheira em Santos, persegui-la e tentar sequestrá-la, diz a polícia.

Quando o caso ocorreu, Queiroz já namorava Eliana da Paixão dos Santos, de 21 anos, mãe de Rodrigo Júnior.

Rodrigo Pinheiro Queiroz, de 27 anos

Rodrigo Pinheiro Queiroz, de 27 anos – Reprodução

Segundo a mãe de Eliana, Eliade Francisca dos Santos, a filha já sofria agressões do namorado. Ela acredita que Eliana tenha sido coagida por Rodrigo e compactuado com as agressões ao bebê.

Os outros três filhos de Rodrigo também já teriam sido agredidos pelo pai, diz a polícia.

Conselho Tutelar acionado anteriormente

Rodrigo Júnior foi morto aos 2 anos

Rodrigo Júnior foi morto aos 2 anos – Reprodução/Record

No dia 12 de novembro, Rodrigo Júnior deu entrada no Hospital Santa Marcelina, em Itaquera, com hematomas semelhantes aos causados por agressões.

Na ocasião, o Conselho Tutelar foi acionado, e a criança foi retirada da mãe e deixada com Eliade, a avó materna. A polícia não soube informar o motivo, mas, em seguida, o menino foi devolvido a Eliana. 

A avó do garoto informou, em entrevista à RECORD, que o Conselho Tutelar confirmou que o neto estava sofrendo maus-tratos e a orientou a pedir a guarda da criança na Justiça.

Ela disse que acredita que a filha tenha compactuado com as agressões, mas já não estava tendo muito contato com Eliana, que se afastou da família.

Eliade contou que, desde novembro, a filha a bloqueou nas redes sociais, assim como fez com outros familiares. A mulher acredita que a filha tenha sido coagida por Queiroz.

Deixe um comentário

Veja Também

Quer ser o primeiro saber? Se increve no canal do PH no WhatsApp