SUS passa a realizar exame para detecção de fungos que atacam sistema nervoso

Infecção poderá ser identificada por teste rápido em pessoas portadoras do vírus da imunodeficiência humana (PVHIV) assintomática

Agência Brasil

Pessoas que vivem com o vírus da imunodeficiência humana (PVHIV) de forma assintomática passam a contar com um novo exame para rastreio de infecção pelo fungo Cryptococcus e, também, para diagnóstico de meningite criptocócica. O teste foi incorporado ao Sistema Único de Saúde (SUS) em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU), nesta sexta-feira (11).

O exame rápido foi aprovado por recomendação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec). Vinculada ao Ministério da Saúde, a comissão tem o papel de assessoria para a incorporação, exclusão ou alteração de tecnologias em saúde pelo SUS, bem como na constituição ou alteração de protocolo clínico ou de diretriz terapêutica.

O Cryptococcus é uma espécie de fungo que ataca principalmente o sistema nervoso central e as vias respiratórias, causando um processo inflamatório no cérebro. O novo teste de rápido fornece um resultado definitivo em aproximadamente 10 minutos, a baixo custo e sem exigir estrutura física especializada, além de ser de fácil uso e interpretação.




DIAGNÓSTICO

O SUS disponibiliza diferentes métodos para diagnóstico da criptococose. O método convencional inclui, obrigatoriamente, o exame direto com análise microscópica em fluidos corporais, como urina e sangue, e a cultura do fungo por um período de até sete dias para identificação do vetor de transmissão.

O novo teste diagnóstico para detecção de infecção por Cryptococcus pode ser realizado no mesmo local onde o paciente é atendido.