Senado homenageia entidade de MT que luta contra o preconceito e discriminação

maluf defende ampliação da discussão sobre a reforma tributária

O Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso, com sede em Cuiabá, recebeu nesta quinta-feira, 24, a Comenda Abdias Nascimento, a mais alta honraria outorgada pelo Senado Federal aos que contribuem para a proteção e promoção da cultura afro-brasileira. A indicação do instituto para a comenda foi feita pelo senador Wellington Fagundes (MT), líder do Partido da República.

Instituído em comemoração ao Dia da Consciência Negra, o prêmio foi entregue em sessão solene a coordenadora da entidade, a estudante e ativista Jackeline da Silva. Também foram agraciados o cantor Lazzo Matumbi, a atriz Zezé Motta e o percussionista Naná Vasconcelos (in memoriam).

A homenagem ao instituto, segundo o senador Wellington Fagundes, representa o fortalecimento em Mato Grosso da luta pela igualdade e contra o preconceito, uma vez que a entidade trabalha com o objetivo de “orientar dinamicamente o processo de crescimento das mulheres negras” e busca “o reconhecimento dos valores históricos, sociais e culturais das comunidades afrodescendentes” no Estado.

Ao enaltecer a forma usada pela entidade para alcançar seus objetivos primordiais, Wellington foi taxativo: “Não se planta consciência com ódio ou com gritos. Muito menos com decreto. Se planta consciência, com diálogo, trabalho e superação” – disse, ao destacar o trabalho afirmativo junto aos jovens, em rodas de cidadanias, “onde o debate se consolida como a principal ferramenta de luta”.

Wellington destacou que Mato Grosso guarda “uma das mais espetaculares histórias de resistência e luta e que tem como símbolo uma mulher negra”. Se referiu a Tereza de Benguela, que liderou o Quilombo Quariterê, em Vila Bela da Santíssima Trindade, resistindo bravamente à escravidão por mais de 20 anos.

“Ela reinou, comandando a estrutura política, econômica e administrativa e enfrentando diversos ataques da coroa portuguesa” – frisou o parlamentar, que homenageou também o professor Walfrido de Brito, da UFMT; a líder comunitária Carmem de Sá; o mastro Crisóstomo Franco e a ex-vereadora Vilma dos Santos, primeira deputada negra na Assembléia Legislativa do Estado.

Mulheres Negras – Por sua vez, Jackeline da Silva destacou que a comenda não se limita ao instituto, mas para a todas as mulheres de Mato Grosso que lutam contra a discriminação e o preconceito. “Em nome das mulheres negras cuiabanas, mato-grossenses, quilombolas, urbanas, idosas, jovens e LGBT, nós agradecemos esta honraria” – disse a estudante, ao se dirigir ao senador republicano.

A exemplo de outras personalidades que se pronunciaram na sessão, Jackeline também protestou contra o que chamou de “eliminação das instâncias responsáveis pelas políticas públicas de gênero, igualdade racial e direitos humanos”. Segundo ela, nos últimos três meses ocorreram vários retrocessos e que tais fatos atos “constituem ameaça a uma população que já se encontra desfavorecida social e economicamente”.

A Comenda – O jornalista e ex-senador, Abdias Nascimento, que morreu em 2011, aos 97 anos, é uma referência no Brasil quando se trata de igualdade racial. Em 1948, junto com amigos, fundou o jornal O Quilombo, que deu voz a grupos sociais alijados da grande mídia.

Com a edição do Ato Institucional Nº 5, em 1968, Abdias Nascimento foi para o exílio e ficou 13 anos longe do Brasil. Abdias Nascimento foi senador pelo estado do Rio de Janeiro entre 1997 a 1999. Assumiu a cadeira no Senado após a morte de Darcy Ribeiro, em fevereiro de 1997.