Secretaria de Agricultura garante recursos para plantação de café clonal em MT

acidente violento arranca frente de moto 1.000 cilindradas



A plantação do café conilon, mais conhecido como café clonal, deve ser o carro-chefe da economia de diversos municípios da região norte de Mato Grosso. O assunto, inclusive, foi pauta da reunião entre o deputado estadual Silvano Amaral (PMDB), o vereador de Colniza, José Carlos Batista (popular Carlinhos), e o secretário de Estado de Agricultura e Regularização Fundiária, Suelme Fernandes, que já assegurou investimentos para o plantio no ano que vem.

O deputado estadual Silvano Amaral (PMDB), um dos grandes apoiadores da plantação do café clonal em Mato Grosso, acredita que este tipo de incentivo melhora a vida do homem do campo, através de um produto mais rentável e que produz o dobro que o café tradicional. O parlamentar garantiu uma emenda no valor de R$ 500 mil para 2016 a fim de que mudas sejam adquiridas, com intuito de contribuir com a expansão dos negócios na região.

“A ideia, que começou em Colniza, agora se expande para cidades adjacentes, a exemplo de Aripuanã, Cotriguaçu e Juruena. Com a contrapartida do governo do estado, por meio da Secretaria de Agricultura, o plantio está garantido”, avaliou Carlinhos.

Segundo o vereador, há pelo menos três anos ele articula apoio para que o projeto do café clonal saia do papel. Ele destaca que o deputado Silvano foi o maior incentivador do projeto.

“Até a Embrapa de Rondônia já esteve em nosso município, dando palestras e discutindo o plantio, porém não encontramos, à época, incentivos para tocar o projeto em frente. Agora é diferente, pois o deputado Silvano abraçou essa causa, entendeu a importância e ainda fez essa articulação junto ao governo do estado, que também nos garantiu incentivo. Saímos da reunião (com o secretário) bem otimistas e, com certeza, retornaremos a Colniza mais animados que antes”, destacou.

Segundo o secretário de Agricultura de Colniza, José Luiz Mendes, enquanto se colhe 70 sacas do café tradicional, com base em um hectare de terra (10.000²), o café clonal pode render até 150 sacas, ou seja, mais que o dobro da matéria-prima. Este ano, o prefeito de Colniza, Assis Raupp, viabilizou mais de 90 mil mudas, que serão plantadas em uma chácara da região, como projeto-piloto. De acordo com Raupp, existem 1.200 mudas na unidade demonstrativa da Secretaria de Agricultura da cidade, que também serão doadas e servirão como experiência aos produtores da região.

Com essa experiência, o município de Colniza pretende obter dois milhões de mudas, tendo em vista que cada pé produz até dez mudas, e assim pulverizar a região. Vale ressaltar que o café, na região norte do estado, é a segunda matéria-prima que mais gera renda, já que o gado de corte lidera o ranking de maior produção.

CAFÉ CONILON – O café conilon, por ser uma espécie mais rústica, possui algumas vantagens sobre o café tradicional, como maior resistência às doenças e pragas, maior tolerância à temperatura mais elevada – que é o caso de Mato Grosso, onde os termômetros chegam a registrar 47ºC, e à deficiência hídrica.

Além disso, o conilon possui maior teor de cafeína e sólidos solúveis, características importantes para a indústria de café solúvel. Outra vantagem é a elevada produtividade, que, dependendo do material genético, chega a produzir até três vezes mais que o café tradicional.

A produtividade média do conilon pode variar conforme o nível de tecnologia adotado pelo agricultor. O custo de produção desse tipo de café, em algumas fases, superam o do café tradicional, observadas a aquisição de mudas clonais e as podas necessárias durante a condução da lavoura.