Saúde acredita que levantamento do Ibope sobre Covid-19 dará desenho da epidemia em Rondonópolis

Entrevistadores do Ibope Inteligência vão visitar diversos domicílios de Rondonópolis entre os dias 4 e 6 de junho para aplicar um estudo nacional coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) sobre a prevalência do coronavírus na população brasileira.

A pesquisa, que é financiada pelo Ministério da Saúde, visa analisar a evolução da Covid-19 no país, mensurar o nível de imunização e identificar a evolução e as formas de propagação da infecção no Brasil.

A partir dessa investigação será possível definir políticas públicas mais eficientes de enfrentamento da epidemia fundamentadas em critérios científicos sobre as características e a ação do vírus.



Esta é uma oportunidade de Rondonópolis aproveitar para identificar casos assintomáticos e traçar um retrato mais preciso da pandemia local, como enfatiza a secretária de Saúde, Izalba de Albuquerque.

“Com essa pesquisa conseguiremos ter parâmetros reais desta doença e descobrir aqueles que estão positivos mas não apresentam sintomas. Assim, além de definirmos ações mais precisas para o combate da Covid-19, poderemos determinar estratégias mais assertivas para minimizar a disseminação do vírus entre os rondonopolitanos”.

Com uma abordagem simples, a equipe de entrevistadores – que é composta por dez membros – estará em vários bairros da cidade realizando visita domiciliar. O enfermeiro do Ibope responsável pela realização do trabalho em Rondonópolis, Marcos Vitor Naves, comenta a estratégia adotada para coleta de dados.

“Foram designados 133 municípios para participar do levantamento. Em seguida, foram sorteados 25 setores censitários em cada uma dessas localidades. Então, nesses setores, foram selecionados aleatoriamente os domicílios que vão receber a visita do Ibope”. A escolha do morador a ser testado, segundo Marcos, será feita por sorteio.

Ao ser sorteada, se a pessoa aceitar participar do estudo, deve assinar um termo de consentimento livre e esclarecido onde constam os objetivos, procedimento, possíveis riscos e declaração de voluntariedade do indivíduo. Se o sorteado não quiser integrar a pesquisa, dará vez alguém que resida na mesma casa. Caso aquele que for testado apresentar resultado positivo, todos os outros residentes precisarão fazer o teste.

“O exame indica se a pessoa teve contato com o vírus. Aqueles que derem positivo devem fazer a quarentena e o Ibope comunicará à Secretaria Municipal de Saúde que, por sua vez, vai implementar os protocolos que utiliza para a doença. O sigilo dos testados será mantido”, explica o enfermeiro. O resultado do teste sai em 15 minutos.

Todos os entrevistadores passaram por treinamento metodológico e de biossegurança, de acordo com Marcos. “Eles estarão devidamente identificados com crachá e só vão se paramentar com os Equipamentos de Proteção Individual quando já estiverem dentro da casa para aplicar o teste e passar as orientações aos moradores”, frisa o enfermeiro que também ressalta que os EPIs assim como o material usado para fazer a testagem serão descartados a cada abordagem.

A fim de assegurar o maior grau de proteção à população e aos próprios entrevistadores, eles são testados a cada dois dias. “Apenas aqueles que apresentarem resultado negativo poderão ir às ruas”, destaca o enfermeiro.

Caso, ao receber a visita do entrevistador, alguém queira fazer a confirmação da pesquisa, o Ibope disponibiliza o número 9 9684-9798. Marcos anuncia ainda que está prevista mais uma onda de visitas a ser realizada entre 17 e 22 de junho com os mesmos procedimentos utilizados neste momento.