Sachetti mostra à imprensa da capital interesse em disputar sucessão de Pátio

O ex-deputado federal Adilton Sachetti (PRB) deve mesmo colocar o nome à disputa para o processo eleitoral do ano que vem. Os indícios de que ele estará na disputa foram dados ontem quando ele deu entrevista ao site cuiabano Rdnews. “Estou à disposição do grupo para uma possível candidatura a prefeito, mas acredito que o cenário começa a se definir a partir de março. Por enquanto, são apenas conversas iniciais. Eu mesmo estou focando nos negócios e em assuntos pessoais e pretendo voltar às atenções para a política no ano que vem. Já conversei com o Grupo dos Nove e vejo espaço para avançar no diálogo”, declarou Sachetti ao Rdnews.

Ele no linguajar futebolístico estaria como um jogador de futebol dizendo ao técnico que está pronto para entrar no jogo.

No entanto, Sachetti tem que convencer os demais partidos que estão se unindo que seria o nome ideal para enfrentar Pátio. Em seu curriculum, ele disputou duas eleições contra o atual prefeito, vencendo uma em 2004 e perdendo outra em 2008. No entanto, em 2004, Sachetti teve ainda como adversários Wellington Fagundes e Carlos Ihamber, além de Pátio e nas eleições de 2008, a disputa foi no chamado mano a mano entre os dois.

Diante do quadro que começa a se desenhar, Sachetti passou a criticar Pátio, que chegou no começo do mandato a ser aliado. Pátio, no entanto, apoiou Adilton na eleição no senado, no ano passado. O racha entre os dois subiu com os tons das críticas feitas por Sachetti, que culminou com a demissão do aliado do ex-deputado Milton Mutum, que era responsável por comandar a secretaria de Desenvolvimento Econômico do Município.

Nos bastidores, Sachetti reclama da forma em que aliados de Pátio divulgaram informações sobre o acidente de trânsito envolvendo a sua esposa Lidiane Campos que resultou na morte de uma criança.

Ao Rdnews, Sachetti criticou o posicionamento ideológico de Pátio.

“É notório que o Zé do Pátio enfrenta dificuldades, parte delas pela conjuntura do país e parte por questões dele mesmo. Hoje, com o advento das redes sociais, os políticos são cobrados em tempo real pela população. Tem também os posicionamentos à esquerda. Todo mundo lembra do prefeito no evento do PT, fazendo Lula Live”, completou ao site cuiabano.