Rondonópolis terá Hackathon para crianças e jovens criarem games

Ideia é ter uma manhã de empreendedorismo e inovação para despertar a criatividade

Criança aprendendo a programar na Happy Code - Foto: Patrícia Casali

Quem nunca ouviu a máxima: – criança tem cada uma… Já imaginou o potencial criativo da criança unido a uma metodologia empreendedora, de forma a organizar a ideia, diante da apresentação de um problema e um plano para superação? Tudo isso é real e acontecerá aqui em Rondonópolis.

A Happy Code, escola de tecnologia participa pela primeira vez do Hackathon, evento nacional que está na 3ª edição. O encontro das crianças com vivência de empreendedorismo e inovação acontece no sábado, das 8 às 12 horas, no auditório do Centro Educacional Khalil Zaher. A inscrição para o evento é gratuita e qualquer criança pode participar. Ainda há vagas.

Serão cem participantes que apresentarão novas ideias para novos produtos. Nesta edição, a proposta é apresentação de uma ideia para um game. Crianças a partir de seis anos e até jovens de 14 anos podem se inscrever gratuitamente e levar para a vida a experiência de participar da solução de um problema. Quem ganhar na cidade, participa da final nacional que acontece em dezembro.

No Hackathon, as crianças recebem o problema, organizam uma proposta de superação e apresentam uma solução para uma banca avaliadora. Todo o processo é elaborado dentro de uma metodologia em que as crianças cumprem etapas.

O trabalho é acompanhado pelos mentores, profissionais que motivam os participantes a pensarem, orientando-os até a apresentação do modelo idealizado, durante um pitch (apresentação oral de todas as etapas para a banca avaliadora).

A diretora da Happy Code, Nagia Zaher do Canto, salienta que é uma excelente oportunidade para que as crianças mostrem seu lado empreendedor. Como o trabalho é feito em equipe de até três membros, há todo um processo que vai além da tecnologia e inovação abordando questões da rotina dos envolvidos, como melhora na comunicação, maior socialização, disciplina, estruturação de ideias, oratória, além de organizar o psicológico porque a criança vai se deparar com um problema a ser resolvido em determinado tempo e tem caminhos a seguir, muita coisa para organizar da ideia até a solução do problema para apresentar à banca.

“É uma experiência com um método de empreendedorismo em que a criança passa por momentos de concentração, muito diálogo com os colegas e mentores, em que vai trabalhando coisas internas e superando barreiras a cada fase. E o desafio é conduzido de forma leve porque estará desenvolvendo sua própria ideia, fazendo o que gosta. Quem participa, leva a experiência que pode ser aplicada em várias situações de conflito do seu dia a dia. É mais que participar é uma vivência positiva diante de um desafio”, explica.

O Hackathon

O Hackathon é um evento em formato de maratona conhecido por quem trabalha com tecnologia e informática. Com uma metodologia definida, acontece a partir da apresentação de problema até a apresentação de uma ideia para a criação de uma startup, que pode ser tanto um programa, um game, um site ou um aplicativo. Tudo isso com horário pré-estabelecido e fases a serem cumpridas.

P&G e o Hackathon

A combinação criança e Hackathon tem chamado a atenção de grandes empresas.  A P&G investiu na primeira edição do Hackathon e as crianças criaram um aplicativo para escovação. Elas apresentaram a solução para um problema de família: a escovação.

Agora a empresa tem o aplicativo que motiva a limpeza dos dentes, através de um game que libera bônus a cada fase, isso no virtual. Na vida real, esses bônus podem ser negociados com os pais, como ida ao parque, jogo de futebol, entre outros.

Etapa nacional

Os vencedores terão os vídeos do pich encaminhados para a final nacional que acontece em Campinas no dia 6 de dezembro.

Inscrições

As inscrições podem ser feitas pelo site: www.sympla.com.br, 

na cidade Rondonópolis, evento Hackathon.