Rezende pede mais atenção do Incra para assentamentos da região sul de MT

cpi dos frigoríficos estuda o retorno de atividades de plantas frigoríficas desativadas em mt

O deputado Sebastião Rezende (PSC) cobrou hoje (24), durante sessão matutina, mais empenho político do Instituto Nacional de Colonização Agrária – Incra – para resolver os problemas de infraestrutura de assentamentos da região Sul do estado. A falta de investimentos, segundo ele, já existe há 15 anos.

A cobrança veio porque no último final de semana, o parlamentar visitou dois assentamentos na região Sul: um localizado em Pedra Preta – Wilson Medeiros e o outro na cidade de São José do Povo – Márcio Pereira. No primeiro, segundo Rezende, estão assentadas 108 famílias.

De acordo com o parlamentar, as famílias assentadas estão impedidas de contrair empréstimos juntos as instituições financeiras e, com isso, não podem melhorar as condições de ir e vir dos assentados.

“Hoje, muitos deles encontram-se em dificuldades para se deslocar e vender a produção. Além da falta de manutenção nas estradas, no assentamento Wilson Medeiros – com 108 famílias – até hoje não tem água para o consumo humano. Isso é um absurdo”, disse Rezende.

O parlamentar explicou que os assentados Wilson Medeiros já fizeram vários projetos, beneficiando as 108 famílias, mas por dificuldades políticos nada foi resolvido. “Isso inviabiliza os recursos financeiros às famílias e, outros tipos de investimentos na região. Por isso, alguns desses assentamentos têm dificuldades até para a recuperação das estradas”, explicou Rezende.

Para o deputado, a dificuldade não é somente da superintendência local, mas falta ao Incra nacional entender que a situação dos assentamentos em Mato Grosso é diferente do restante do país.

“Aqui, o estado tem um dos maiores números de assentamentos do país. O estado é grandioso. Mas, infelizmente não é essa a visão do Incra nacional. Os projetos vão se avolumando na superintendência por falta de recursos e, por isso, o Incra tem que tomar uma atitude definitiva para resolver esse impasse”, afirmou Rezende.