Reprovação das contas de Emanuel demonstra que gestão é irresponsável e incapaz, afirma Fabio

Da Assessoria

Da Assessoria

Reprovação das contas de Emanuel demonstra que gestão é irresponsável e incapaz, afirma Fabio

A reprovação, por parte do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), das contas da Prefeitura de Cuiabá de 2022 demonstra que o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) é irresponsável e incapaz de administrar o dinheiro pago em impostos pelos cuiabanos. A avaliação foi feita pelo chefe da Casa Civil, Fabio Garcia (União), que afirmou esperar que a Câmara Municipal acolha o parecer da Corte e também reprove as contas da gestão.

“A votação do TCE só confirma o que já falamos muitas vezes, a atual gestão de Cuiabá é irresponsável e incapaz de cuidar do dinheiro de cada cuiabano que paga seus impostos”, afirmou Fabio após a conclusão do julgamento no TCE. As contas anuais foram relatadas pelo conselheiro Antônio Joaquim e a reprovação das contas contou com o voto da maioria dos conselheiros.

No relatório, Joaquim destacou o grande crescimento das dívidas do município a partir do início da gestão de Emanuel, em 2017. Ela saltou de R$ 353 milhões, para mais de R$ 1,2 bilhão. Um dos conselheiros que acompanhou o relatório, Wladir Teis afirmou que o crescimento do passivo saltou mais de 400% e o gasto com pessoal 90% em relação a 2016.

“Não existe mágica na administração pública, só se gasta de acordo com o que se arrecada. E, aquilo que se gasta tem que ser feito com cuidado, com respeito, com a máxima eficiência. Esse é o princípio da boa gestão, coisa que Emanuel nunca respeitou, haja vista o rombo de mais de R$ 1,2 bilhão nas contas do município”, apontou Garcia.

Fabio destacou que espera que o relatório do TCE seja validado pela Câmara Municipal e que as contas da gestão Emanuel de 2022 sejam reprovadas também no Legislativo. “A minha expectativa, assim como o da população cuiabana, que elegeu os vereadores como seus representantes, é que essa gestão desastrosa e incompetente receba aquilo que merece, a reprovação das contas”.

+ Acessados

Veja Também