Remédios comuns podem agravar insuficiência cardíaca, diz associação

ministério da saúde convoca o cidadão para que no novo ano o combate ao mosquito faça parte da rotina


Muitos medicamentos comuns – prescritos, vendidos sem receita ou fitoterápicos – podem agravar a insuficiência cardíaca, por isso é importante que pacientes relatem aos médicos tudo o que estão tomando. É o que orienta uma declaração científica feita pela Associação Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês) esta semana.

A insuficiência cardíaca é a principal causa de hospitalização para pessoas com mais de 65 anos e os pacientes nesta situação tomam, em média, sete medicamentos prescritos por dia.

Mais de um terço dos pacientes com insuficiência cardíaca também tomam fitoterápicos, que são medicamentos feitos à base de plantas, dois terços tomam vitaminas e sete a cada oito usam remédios vendidos sem receita.

O médico Robert L. Page II, um dos autores da declaração da AHA, disse à Reuters por e-mail: "Quando um paciente toma ao menos quatro medicações, o risco de uma interação entre as drogas aumenta para 38%; esse número aumenta para 82% quando os pacientes tomam sete ou mais medicamentos, o que vários pacientes de insuficiência cardíaca fazem."

Polifarmácia

A combinação de várias prescrições, chamada de polifarmácia, e a presença de muitas doenças torna os pacientes com insuficiência cardíaca particularmente vulneráveis a interações entre drogas que podem levar a hospitalizações e até morte.

Para ajudar a evitar essas consequências, a AHA criou um guia para medicamentos prescritos, medicamentos de venda livre e produtos de medicina alternativa que podem agravar a insuficiência cardíaca.

"Os pacientes ficariam surpresos de saber que drogas de venda livre comumente usadas para tratar dor e azia pode levar a retenção de líquido e agravar os sintomas. Pacientes também ficariam surpresos de saber que muitos produtos feitos a partir de ervas podem afetar o metabolismo dos medicamentos para insuficiência cardíaca de forma potencialmente perigosa", afirmou o médico Kumar Dharmarajan, da Escola de Medicina da Universidade Yale à Reuters.

"Pacientes não devem presumir que medicamentos de venda livre e remédios complementares são seguros apenas porque estão disponíveis sem prescrição", disse. "Eles devem consultar seus médicos antes de começar a mudar suas medicações."

As recomendações foram publicadas na edição de 11 de julho da revista científica "Circulation".