Reginaldo pede prioridade na sinalização do trânsito de Rondonópolis

Reginaldo pede prioridade na sinalização do trânsito de Rondonópolis



Segundo dados estatísticos do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Rondonópolis tem a segunda maior frota de veículos de Mato Grosso, ficando atrás apenas de Cuiabá. De acordo com o órgão já são 163.114 rodando pelas ruas da cidade.
O levantamento ainda mostrou que a frota local cresceu 28% em apenas 4 anos. Os números causam preocupação para o vereador Reginaldo Santos – PPS. O legislador afirma que a gestão pública precisa com urgência reorganizar a sinalização de trânsito da segunda maior economia do Estado, com urgência. “Os números mostram que nossa frota segue crescendo de forma assustadora. Está na hora de chamar a sociedade e rediscutir a distribuição desses veículos em nossas vias. Do jeito que está, corremos um sério risco de colapso. Nosso trânsito já não é dos melhores e sem medidas pontuais tende a ficar pior que em cidades com mais de 1 milhão de habitantes”, alerta.
Para o vereador o poder público deve iniciar, de imediato, ações que possibilitem mais fluência em áreas de grande fluxo. Reginaldo entende que o maior problema está no quadrilátero central. O primeiro passo, segundo o parlamentar, seria a sincronização dos semáforos da cidade, recuperação da canaletas na área central que ficaram com grande desnível após o recapeamento, além da implantação da sinalização vertical e horizontal. “O trânsito na região central está confuso, moroso e muito complicado. A sincronização quando foi implantada melhorou a fluência do trânsito. Parou e complicou tudo. Aliados a questão dos semáforos temos o desnível das temidas canaletas e a falta de sinalização. Depois do recapeamento está muito desorganizado, sinalização não existe”, reclama.
Reginaldo também lembrou que regiões fora da área central também precisam de atenção. “Entendo que faixa de pedestre e placas de advertência de velocidade devem ser estar presentes em frente a unidades de saúde, escolas, igrejas e feiras livres. São pontos de grande fluxo de pessoas e muitos estão sem qualquer tipo de aviso para motoristas”, comenta.
O representante do executivo cita que para realizar tais pontuações  o poder utilizar dinheiro do Fundo Municipal de Trânsito. Tal órgão tem competência de gerir recursos decorrentes de aplicação de multas de trânsito e licenciamento de veículos. “No dia 11 de janeiro apresentei um requerimento para a Prefeitura solicitando informações sobre os recursos que entraram entre janeiro de 2017 e dezembro de 2018. Além pedir o saldo existente até o início do mês de janeiro de 2019.Sabendo quanto ainda existe é possível saber o que pode ser feito a toque de caixa. É preciso responder a sociedade com celeridade”, cobra.