Programa Page investirá R$ 2,8 milhões em ações para 2020 em Mato Grosso

Matriz energética, ecoeficiência, etnoturismo, educação e compras públicas sustentáveis são os principais eixos a serem trabalhados no próximo ano

Proposta a criação do selo verde para incentivar práticas sustentáveis na agricultura familiar - Foto por: João de Melo | Empaer

Nova matriz energética e uso eficiente de energia, da água e dos recursos hídricos; etnoturismo; educação voltada para o trabalho verde; e compras públicas sustentáveis. Estes são os principais eixos a serem trabalhados no próximo ano (2020) pelo Programa Page (Partnership for Action on Green Economy, cuja sigla em português é Parceria para Ação em Economia Verde) em Mato Grosso.

Segundo o coordenador do Page no Estado, Eduardo Chiletto, serão investidos US$ 667,5 mil (aproximadamente, R$ 2,8 milhões, no câmbio atual) em todas estas ações.

“Também vamos trabalhar na transição de nossa pecuária para uma economia verde, como forma de ampliar nossas exportações; e na implementação de uma política industrial volta para a preservação de nossos biomas – amazônico, cerrado e pantanal”, informa Chiletto.

Ecoeficiência

Uma das ações será estabelecer estratégias para o uso de resíduos sólidos na produção de energia renováveis, incluindo resíduos agrícola e da agrossilvicultura (cultivo de árvores em conjunto com culturas agrícolas). Mato Grosso é grande produtor de resíduos orgânicos.

Paralelamente, serão criados padrões de sustentabilidade na construção e reformas de prédios públicos da administração direta estadual. A meta é a eficiência energética, de uso da água e dos recursos hídricos.

“Além de contribuir para o aumento da matriz energética mundial e reduzir o descarte inadequado no meio ambiente, ainda gera oportunidade de negócios, renda e maior desenvolvimento econômico, social e ambiental”, explica Chiletto.

Economia verde

Com mais de 30 milhões de cabeças de gado bovino, equivalente a 14% de todo o rebanho nacional, Mato Grosso é o sexto produtor mundial de carne. Para ampliar ainda mais as exportações pecuárias, a proposta é “esverdear” esta cadeia produtiva.

Também será proposta a criação de um Selo Verde, como forma de encorajar os produtores da agricultura familiar a adotarem práticas ambientais corretas, para reduzir impactos, aumentar suas vendas e, consequentemente, melhorar suas condições de renda e vida.

Etnoturismo

Vista como uma ferramenta estratégica no processo de fortalecimento das comunidades e no desenvolvimento econômico e social, será implementado um programa de etnoturismo sustentável em terras indígenas. Para isso, serão elaborados planos de negócio, de preservação e conservação ambiental, de infraestrutura básica e de capacitação técnica.

“Nossa proposta é, que, futuramente, esta seja uma das principais atividades econômicas na área de turismo de sustentável em nosso Estado”, argumenta Eduardo Chiletto.

Educação e compras públicas

Segundo estudo da OIT (Organização Mundial do Trabalho), de maio de 2018, milhões de novos postos de trabalho voltados para reduzir as mudanças climáticas e seus efeitos estão sendo criados – tanto em países industrializados quanto em desenvolvimento.

Para atingir este estágio em Mato Grosso, serão implementadas e fortalecidas ações que permitam uma trajetória linear (direta) entre a formação escolar, especialmente de jovens, a obtenção de empregos chamados verdes ou sustentáveis.

Simultaneamente, o programa vai investir no fortalecimento das instituições de treinamento (públicas e privadas), cuja finalidade é qualificar instrutores a atender às necessidades de capacitação de profissionais na orientação de modelos de produção e consumo, de ordenamento territorial e governança.

“Por fim, vamos desenvolver ações voltadas para o estabelecimento compras públicas sustentáveis, emprestando um novo sentido às compras governamentais. Desta forma, o edital de licitação passará a ser uma ferramenta fundamental e eficiente de promoção do desenvolvimento sustentável na esfera pública, com repercussão direta na iniciativa privada. Pequenos ajustes podem determinar grandes mudanças nesta direção”, conclui o coordenador.

Programa Page

Uma resposta da ONU (Organização das Nações Unidas) à Rio+20, em 2012, que pediu seu apoio aos países interessados em promover a transição para uma economia verde, no contexto do desenvolvimento sustentável e na erradicação da pobreza, o programa está presente em Mato Grosso desde 2016.

Seu objetivo principal no Estado é contribuir para os esforços de planejamento do desenvolvimento estadual, “permitindo a incorporação do conceito de crescimento verde às políticas de desenvolvimento, por meio de políticas públicas em setores-chave da economia, com o uso eficiente dos recursos naturais, promoção de qualidade e sustentabilidade ambiental, planejamento e ordenamento territorial, fortalecimento da agricultura familiar e criação de empregos verdes”.