Produtores de soja de MT pagam 9% mais caro pelo frete para escoar a produção neste ano

Preço do frete e excesso de chuva impactam colheita e transporte da safra no estado.

Foto por: Wenderson Araujo - CNA Brasil

Os produtores de soja enfrentam problemas com o frete, que está até 9% mais caro em Mato Grosso. Além disso, ainda correm contra o tempo para terminar a colheita que está atrasada por causa da chuva.

No campo os produtores estão com algumas preocupações com relação à safra da soja. A colheita avançou sobre mais de um terço das lavouras até agora

Na última semana de fevereiro, ainda tem muita lavoura para ser colhida.






Os dias chuvosos atrapalham a colheita e os grãos ficam úmidos e as maquinas paradas.

“Estamos com um atraso muito grande no município de Sorriso, Vera e entorno. Esperamos que o sol ajude nessa semana e tire a soja seca. Está no ponto de colheita, mas se der mais dois ou três dias de chuva começa a complicar bastante. O produtor está apreensivo”, disse Silvano Filipetto, presidente do Sindicato Rural de Sorriso.

A semana começou com sol e as máquinas foram para o campo, no entanto, há previsão de chuva.

O escoamento precisa ser rápido e a procura por caminhões é muito alta. A oferta de veículos fica restrita, o que faz subir o frete.

Segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), a regulação entre a oferta e demanda fez o frete subir de 2 a 9% no estado. Em algumas rotas, como a BR-163, uma das principais, o frete chega a R$ 163 por tonelada.