Prefeitura fará loteamento para atender famílias de baixa renda que aguardam por moradia

Inscrições para o concurso público da Prefeitura de Rondonópolis estão abertas a partir desta segunda (29)



A Câmara Municipal de Rondonópolis aprovou o Projeto de Lei nº 316 de 29 de julho de 2019 autorizando o Poder Executivo a adquirir duas áreas: uma de pouco mais de nove hectares e outra de 35 hectares na região da Vila Paulista.

O valor da compra é de R$ 6 milhões e o local será dividido em 1,5 mil lotes destinados a atender famílias que estão cadastradas na Secretaria Municipal de Habitação e Urbanismo.

O novo loteamento que será criado pelo município já contará com a infraestrutura básica necessária como pavimentação primária, e redes de água e elétrica. Os lotes serão destinados às famílias de baixa renda inclusas no Cadastro Único.

O prefeito Zé Carlos do Pátio explica que o loteamento se faz necessário para reduzir o déficit habitacional de Rondonópolis que hoje atinge mais de 15 mil famílias, que estão cadastradas a espera de uma moradia. “O problema de falta de moradia é sério em Rondonópolis e por isso a Prefeitura precisa criar políticas públicas habitacionais para garantir dignidade para a população que não tem onde morar”, destaca.

Segundo o prefeito, Rondonópolis teve aumento no número de habitantes, com elevação do déficit habitacional, mas a política pública de habitação do Governo Federal não tem atendido a contento a população. Hoje, a cidade conta com dois conjuntos habitacionais do Governo Federal que estão com as obras paralisadas. “Se o Governo Federal não cumpre a parte dele de finalizar as obras em andamento e entregar as moradias para as famílias que precisam, o município precisa fazer algo”, ressalta.

Pátio agradeceu o empenho de todos os vereadores que aprovaram o projeto de lei autorizando o município a comprar a área e posteriormente lotear e urbanizar com rapidez. “É muito importante esse apoio da Câmara Municipal, pois temos urgência em iniciar uma política municipal de habitação já que o Governo Federal vem sendo omisso”, finaliza.