População da Vila Operária quer Batalhão ou Companhia da PM instalada na região

Requerido pelo deputado, Delegado Claudinei, o evento contou a participação de lideranças da região que possui 70 mil moradores em 110 bairros

Com a participação de lideranças da região da Vila Operária, em Rondonópolis, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso, realizou na segunda-feira (25) uma audiência pública que discutiu a instalação de um Batalhão ou Companhia da Polícia Militar (PM) para atender os 110 bairros e 70 mil moradores. Atualmente, apenas três viaturas e seis policiais militares fazem a ronda ostensiva e preventiva na região, além de contar com um suporte do 14º Companhia da Polícia Militar.

 

“Temos aquele antigo batalhão inaugurado em 2001, mas que hoje só serve de apoio para a Polícia Militar e também como o sede do Conselho de Segurança Comunitária (Conseg) da Vila Operária. É um local insalubre, um prédio que não tem condições nenhuma para a PM atender a comunidade. E quando você fala da Vila Operária, estamos falando de 110 bairros, 38 escolas, 51 igrejas, 20 Postos de Saúde da Família (PSFs), muitos estabelecimentos comerciais, duas agências bancárias, duas casas lotéricas. É um transito grande de pessoas, mais de 70 mil habitantes. A comunidade merece essa atenção da Segurança Pública e merece um prédio com estrutura para colocar suas viaturas e fazer atendimentos”, argumenta o deputado estadual, Delegado Claudinei, autor do requerimento da audiência pública.

Em junho de 2017 a 17ª Companhia de Polícia Militar da Vila Operária foi criada, com a promessa de chegar a 80 efetivos. “Mas hoje não temos nem o prédio, nem metade do efetivo prometido. Já fizemos a indicação ao Governo do Estado para ativar ou construir um novo prédio, nem que seja em parceria com o município. Acredito que o prédio da Companhia de Desenvolvimento de Rondonopólis (Coder) daria para fazer as adaptações necessárias e instalar a Companhia neste local”, sugeriu o deputado, que pretende ainda esta semana se reunir com o prefeito do município, José Carlos do Pátio.

O chefe de Gabinete de Apoio à Segurança Pública (Gasp), Valdemir Castilho Soares, conhecido como Biliu, esteve na audiência representando o prefeito de Rondonópolis, José Carlos do Pátio e lembrou que a Companhia Independente da PM da Vila Operária no papel já existe de fato e opera em um espaço meio afastado da Vila Operaria. “Temos atrás, o prefeito Zé do Pátio se reuniu com o coronel Wilker e na época o major Candido, hoje coronel, para tratar desse assunto. E o prefeito, assim como em outras situações de parcerias com a PM, colocou-se à disposição para manutenção do prédio, aluguel com espaço que contemplasse a PM. Essa região ela abrangem 70 mil habitantes é uma comunidade grande que merece essa atenção na área de Segurança Pública. Ele está pronto para contribuir no que for de melhoria para a Segurança”, garantiu Biliu.

Para o presidente do Conselho de Segurança da Vila Operária, Jairo Vicente participou do evento e disse que há 12 anos luta por mais segurança na região da Vila Operária. Lembrou também que o Governo já prometeu a construção de um Batalhão. “A nossa comunidade precisa de mais segurança pública porque estamos vivendo na insegurança”, destacou Vicente.

O tenente-coronel da PM, Lauro Márcio Ozório da Silva, representando o 4º Comando Regional da PM em Rondonópolis, destacou que a ideia de uma nova unidade na região da Vila Operária é de grande valia. “Região esta que há tempo conclama uma nova unidade e local para atender a comunidade e os policiais que laboram na região. Na parte logística, estamos bem suprimidos. A frota foi renovada, mas a demanda é crescente e sabemos da necessidade de incremento por parte de novas viaturas e efetivos. Mas a atual demanda está sendo suprida e a Polícia Militar tem feito o possível para atender de forma correta e legal”, afirmou o tenente-coronel.

Conforme informações repassadas pelo tenente-coronel, a região da Vila Operaria tem três guarnições diuturnamente que fazem rondas 24 horas por dia. São seis policias por turno e tem incremento e apoio das forças Tática, do Comando Car, que também revezam na ronda. “Com esse apoio que a 14ª Companhia dá, nós conseguimos fazer o policiamento de forma padrão. O lotacionograma  adaptado para a PM uma Cia Independente tem que ter 69 policiais militares. Mas, nossos efetivos se desdobram ao máximo para garantir a segurança”, completou.

Na oportunidade, o deputado lamentou também que nenhum representante da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) não tenha comparecido ao evento e disse que se a prefeitura tiver interesse de doar algum terreno, vai trabalhar em busca de parcerias com empresários ou Ministério Público por meio de Termos de Ajustamentos de Conduta (Tacs) para a construção de um novo prédio, se for o caso.

“Também podemos através de transações penais obtermos recursos pelo Conseg, o presídio da Mata Grande também pode ajudar na mão-de-obra com os recuperandos. Vamos buscar parcerias com o município, com a comunidade, todas as instituições que podem estar colaborando na construção ou imóvel cedido. O que a gente não pode é parar, e eu não vou parar. Minhas audiências públicas que tenho convocado para Rondonópolis têm tido resultados como foi a da Santa Casa que hoje tem R$ 20 milhões para chegar, sendo R$ 17 milhões de emendas junto ao deputado federal José Medeiros. Essas audiências não têm fins políticos e, sim, são audiências para ajudar a comunidade e a segurança pública na grande Vila Operária”, finalizou Claudinei.

Também participaram da audiência o 2º tenente do Corpo de Bombeiros (CBMT), Antônio Roberto de Souza, representando o tenente-coronel do CB, Fabrício Gomes da Costa, comandante do 3º Batalhão do CBMT, em Rondonópolis; Paulo Rufino, sub-diretor da Penitenciária da Mata Grande; entre outros.